Publicado por: Yasmin em 04.08.2017

http://www.gomezgallery.org/albums/userpics/10036/INSTYLE.png

Selena Gomez é a capa da edição de Setembro da revista InStyle, uma das edições mais importantes do ano para o mundo da moda. Para essa edição, a cantora e atriz veste figurinos da Coach, falando da sua parceria com a marca, e Luis Vuitton. Durante a entrevista, Selena comentou sobre sua saúde mental, pausa na carreira, seu relacionamento com The Weeknd e muito mais. Confira:

CAPAS

ENSAIO FOTOGRÁFICO

BASTIDORES






ENTREVISTA
Selena Gomez entra no hotel The Sunset Tower em Los Angeles e eu juro que ela parece mais alta. Ela está usando calças da Free People e saltos altos, claro – ela não conseguiu 123 milhões de seguidores sem parecer bonita. Mas é algo mais súbtil que isso. Ela parece mais…madura.

Ela pede uma salada (“Eu estou me tratando tarde. Meus avós e eu vamos comer um churrasco ao estilo do Texas,” diz ela, reconhecendo seu pedido como algo ligeiro. “Atualmente eu vivi no The Sunset Tower por três meses”, ela explica, acrescentando que “Eu estava passando por um momento difícil na minha vida e decidi viver aqui.”

A última vez que entrevistei Gomez foi há quatro anos atrás para outra revista. Ela tinha me levado a um Hooters em Valley, onde era uma cliente habitual. Ela pediu pickles fritos. Tinha o cabelo comprido, usava uma touca e sujou sua camiseta flannel de ketchup. Nós gravamos um vídeo juntas e ela trouxe um saco de roupas de casa, incluindo suas roupas da coleção Dream Out Loud para Kmart.

Isso, claro, já foi há muito tempo. Envolvida na tempestade do fato de ser uma celebridade e das redes sociais, Gomez atravessou essa onda. “O seu saco de roupas de casa” incluí contratos com a Pantene e Coach; Hooters agora é o hotel The Sunset Tower. Neste verão ela tem lançando novas músicas, pequenas partes em seu Instagram primeiramente, com uma voz no nível similar da Adele. E como é óbvio, seu primeiro namorado público, Justin Bieber, já é história. (No tempo da nossa entrevista, ela tinha 6 meses de relacionamento com Abel Tesfaye conhecido como The Weeknd).

Mas continuando com as metáforas relativas ao oceano, os 10 anos de Gomez nos olhos do público não foram tão suaves assim para navegar. No ano passado ela passou três meses em um centro de tratamento no Tennessee por depressão e ansiedade. Aos 25 anos, ela está conciliando a fama com os dilemas da vida adulta. Então é com alguma ironia que ela olha para uma foto de si mesma em uma moldura e diz rindo, “Eu ainda tenho a habilidade de aparentar 15 anos”.

Gomez tem um poder especial: A sua fama não vem apenas do que ela cria, como se veste e de quem ela namora mas da forma de como ela sofreu e como se levantou. Ela não é uma grande adepta do tipo de fama que experimentou na infância enquanto estrelava “Os Feiticeiros de Waverly Place” na Disney. “Eu acho que é um pouco disfuncional estar nessa indústria muito nova quando você está descobrindo quem você é. Eu não recomendo isso.”

De certa forma, Gomez conseguiu juntar tudo em uma espécie de elixir, o que não alimenta apenas seus fãs, os seus colaboradores e seu negócio mas também a fazer se sentir melhor. Mas eu vou deixar ela te dizer isso.

E: Você ainda vai ao Hooters?

SG: Sim! Mas não muito. Agora que eu cuido de mim, o que eu faço 100% das vezes, é mais do tipo, “Eu estou saindo com meus avôs.”, em vez de “Ei, vamos ao Hooters cinco vezes por semana porque eu sou obcecada com tudo que é fritura.” Eu estou tentando me cuidar mais.

E: Não pode ir ao Hooters toda hora.

SG: Não. Por mais que eu adoraria.

E: As coisas mudaram bastante nos últimos quatro anos – tudo parece bem maior.

SG: Eu sei. No Instagram os meus fãs postam esses vídeos antigos e eu me emociono porque eu eu fico, “Uau, minha vida é tão diferente agora.” Não estou dizendo que é ruim, mas é louco. Realmente é.

E: É muito com o que lidar – sabendo que você é um negócio e muitas pessoas estão contando com você?

SG: Isso pode ser um pouco demais, mas eu tento e equilibro isso com o que me faz feliz. Se faço parte de um ótimo projeto, eu posso me inclinar de tudo isso.

E: Você tem vestido as suas calças de menina crescida. Como você se sente com elas?

SG: Me sinto bem com as minhas calças de menina crescida. Elas são de cintura alta. [Risos]

E: Quando foi a última vez que você andou sem ser reconhecida?

SG: Honestamente, se eu vou ver um filme com meus amigos usando moletom, está tudo bem. Mas quando eu estou cedendo entrevistas e eu tenho feito o cabelo e maquiagem por duas horas, é meio óbvio.

E: Você acabou de fazer 25 anos, você está no seu próximo quarto de vida.

SG: Eu meio que queria que os números não existissem algumas vezes, porque eu sinto que tenho 15 anos alguns dias e em outros dias eu acordo me sentindo com 40 anos. É tão estranho, como um ano pode mudar tudo. Ano passado eu cancelei minha turnê e me afastei por 90 dias, isso foi a melhor coisa que eu poderia ter feito. Eu não tinha celular, nada e eu estava assustada. Mas foi incrível, eu aprendi muito.

E: Noventa dias é muita coisa.

SG: Parei de me preocupar com tudo aquilo que me preocupava. Eu saí e me senti, “OK, só agora posso ir para frente.” E ainda há dias assim. Eu vou na terapia. Eu acredito nisso e falar sobre onde você está. Mas eu estou em lugar saudável.

E: Como foi estar lá? Foi um choque retornar à sua vida?

SG: Eu estava no campo e não fazia meu cabelo; Fiz parte de equoterapia, o que foi tão bonito. Foi difícil, obviamente. Mas eu sabia o que meu coração estava dizendo e pensei, “OK, acho que isso me ajudou a me tornar mais forte para outras pessoas.” Quando eu voltei, me chamaram para ir ao American Music Awards e todos em minha volta estavam, “Faça aquilo que te deixar confortável.” Eu não queria que meus fãs tivessem uma visão negativa sobre cuidarmos de nós mesmos, então eu fui em frente, e eu vou te dizer, a primeira vez que pisei naquele tapete vermelho foi muito emocionante. Eu senti como se minhas costas estivessem soando.

E: Quando você estava concedendo entrevistas para série da Netflix na qual você é produtora executiva, 13 Reasons Why, você disse, “Quanto mais velha, mais insegura eu fico.” Me diga porquê.

SG: Isso é o que eu mais venho trabalhando na terapia. Por causa das redes sociais, de toda a pressão que as garotas tem, é muito difícil. É bom estar conectada, ver as coisas e saber o que os seus amigos estão fazendo. Mas também permite as pessoas pensar que elas precisam parecer ou estar de uma certa maneira. Eu lembro que quando eu tinha minha série na Disney, eu andava por aí sem me importar e fazia as crianças rirem. Eu estava em todo lugar. E agora parece que aumentou – você tem pessoas feias tentando tirar coisas negativas de você e a energia te faz sentir mal consigo mesma. Você não consegue evitar. É muito difícil achar quem você é durante toda essa bagunça e pressão.

E: Grande parte da sua fama vem da sua fraqueza. Como você sabe o que compartilhar e o que não compartilhar?

SG: Eu tinha a escolha de deixar que isso me enlouquecesse e me derrubasse ou apenas me permitir a ter conversas verdadeiras com as pessoas. Então eu cheguei a um ponto que eu penso, eu tenho essa plataforma e eu ainda posso fazer o que amo e conectar com as pessoas que sentem como se eles tivessem crescido comigo. Eu não vou compartilhar coisas que eu não quero.

E: Como as pessoas te tratam na sua cidade natal, Grand Prairie, no Texas? Você tem estado lá muitas vezes?

SG: Eu fui para o aniversário do meu afilhado. Foi incrível. Eu vou aos restaurantes que costumo ir e eles dizem, “Bem vinda a casa, Srta. Gomez!” Quando eu vou, eu vejo minha família e passo um tempo em casa com meus avôs, fazendo comida caseira e andando pelo parque. É viagem muito desligada [do mundo].

E: Parece que você também está muito feliz com seu namorado, Abel.

SG: Eu realmente estou. É ótimo. Eu não dependo de uma área da minha vida para me fazer feliz. É muito importante para mim amar e dar atenção aos meus amigos e família para me certificar que eu nunca seja influenciada por um garoto. Eu queria ser forte e estar com a cabeça tranquila por anos, e eu não estava. Antes, eu era muito nova e facilmente influenciada, e me sentia insegura. Você quer alguém que acrescente em sua vida, não que te complete, se isso faz sentido. Eu sou sortuda porque ele é mais que um melhor amigo do que qualquer coisa.

E: Você escreveu em uma recente publicação no Instagram, “Eu finalmente batalhei a luta de não ser suficiente.”

SG: Isso se remete para onde estou na minha vida – claro que eu me importo, mas eu me importo menos e menos, e isso é tão libertador. Meu sustento não pode depender de um “Gostam de mim?” Quando eu estava na Disney, eu ficava, “Oh, eles não gostaram disso?” Isso machuca seus sentimentos.

E: Como você aprendeu a falar por si mesma?

SG: Eu aprendi o poder de dizer não – Me sinto empoderada quando digo. Recentemente, eu estava com as pessoas da minha gravadora, eu olhei para a mesa e disse, “Respeito a opinião de vocês, mas vocês tem que deixar que eu tome a decisão final. Apenas me dê alguns dias para pensar nisso.” E eu sai e me senti a Anne Hathaway em “O Diabo Veste Prada”, tipo, “Eu acabei de…fazer isso?” Foi muito bom, porque eu não estava sendo desrespeitosa. Apenas honesta.

E: Você tem alguns singles novos e um álbum a caminho. Você quer entrar em turnê novamente?

SG: Eu quero. Estar em turnê é uma das partes mais bonitas de fazer música. Ver o rosto da pessoas, se conectar com eles, é apenas – Eu fiquei muito emotiva ontem no meu Instagram sobre os meus fãs porque eu estava experimentando meus sentimentos.

E: E você também tem projetos na moda neste outono – Me fale sobre a bolsa que você desenhou para Coach.

SG: O diretor executivo da Coach, Stuart Vevers – é um anjo. Ele foi muito aberto em relação à nossa parceria. Se eu estou trabalhando em um filme, escrevendo uma música, produzindo ou modelando, eu quero estar cercada pelas melhores pessoas para que eu possa crescer. Eu estou muito orgulhosa do que eu criei.

E: Quando tem um grande número de estreias a caminho, você dedica um dia para apenas provar roupas?

SG: Sim. É divertido porque minhas amigas vão comigo e elas estão comendo batatas fritas, e ficam como, “Esse está tão legal!” E eu do tipo, “Eu sei!” É basicamente um pequeno desfile de moda.

E: 13 Reasons Why terá a segunda temporada. Você esperava as opiniões polarizadas sobre o projeto quando você entrou nele?

SG: Eu não pensei que iria explodir dessa maneira, seja positivamente ou negativamente, obvío. Na segunda temporada, nós iremos responder várias perguntas que foram questionadas. Eu acho que a série permite começar uma conversa em uma mesa de jantar, mesmo que seja um “Isso é terrível” ou “Isso foi ótimo”, isso continua sendo o começo da conversa. Assustou as pessoas, mas é realmente importante.

E: Agradeço o fato de você não estar andado por aí. Você poderia estar lançando música agora e depois outra e então estrelar uma comédia. Mas você está sempre focando em coisas que são mais reais.

SG: É apenas porque eu tive muitas coisas acontecendo na minha vida. Eu tive momentos em que eu me sentia como, “Por que eu tenho que fazer isso enquanto outras pessoas estão trabalhando em três empregos para ter o que eles precisam?” Eu cresci com minha mãe, meu pai e minha família trabalhando bastante – eu testemunhei isso, entende? Eles me mantinham o mais feliz que podiam, mas por volta dos meus 16/17, ainda era difícil. Então eu quero usar minha voz para fazer parte das coisas e falar, mesmo que seja sobre saúde, felicidade ou caridade. Se eu tenho essa plataforma, por que não usá-la?

E: Quão ambiciosa você é?

SG: Bastante. Eu não tenho medo de estar errada agora, porque eu prefiro dizer, “Eu defendo isso.” Você não tem que ter medo de cometer erros porque é assim que você descobre tudo. Eu sou ambiciosa em todas as áreas da minha vida. Eu quero ser uma filha melhor, uma amiga melhor e uma influência melhor. Eu quero sentir algo.

Editora de moda: Kate Young. Cabelo: Danilo para a The Wall Group. Maquilhagem: Hung Vanngo para a The Wall Group. Manicure: Tom Bachik. Design do set: Daniel Graff para a MHS Artists.