Publicado por: Yasmin em 17.09.2017

http://www.gomezgallery.org/albums/userpics/10036/TIME.png

A revista Time criou uma edição especial intitulada como “She Is The First” para falar sobre as mulheres que estão mudando o mundo. Selena Gomez foi uma das escolhidas para estampar uma das capas, Ellen DeGeneres, Oprah e Hillary Clinton foram outras escolhidas. Em entrevista, a atriz e cantora comentou sobre o início da sua carreira, redes sociais e sua definição de força. Confira:

CAPA

FOTOS

Não acho que teve um momento em que eu tenha decidido que era isso que eu queria, acho que se foi se tornando o que eu amo. Há uma confiança que eu tenho com as pessoas da minha idade que eu não teria se eu tivesse começado mais tarde. Eu acho que foi um instinto para mim, eu amo ser capaz de fazer as pessoas rirem. Quando comecei a trabalhar, minha mãe foi a pessoa que me ajudou a guiar a maioria  do meu percurso. Ela tinha 16 anos, então nós meio que crescemos juntas. Tudo que eu sou hoje se reflete pelo o que minha mãe teve que passar. Ela tinha a habilidade de me fazer sentir que eu era capaz de fazer tudo aquilo que eu queria. Força não significa que você tenha que se colocar em uma fachada. Acho que ser forte significa ser vulnerável. É muito difícil se levantar todos os dias e apenas se sentir bem consigo mesma sem ter que viver olhando sobre a vida das outras pessoas. Espero que meus fãs saibam que eles são lindos, que eles podem compartilhar com as pessoas aquilo que eles estão sentindo. É muito pessoal para mim.

ENTREVISTA:

Minha mãe fez muito teatro enquanto crescia. Então, eu acho que atuar foi um instinto para mim. Eu amava ser capaz de fazer as pessoas rirem, e se alguém estivesse triste, eu não gostava. Eu sempre tentei fazer as pessoas se sentirem bem, que sentissem algo. Então sempre que eu via minha mãe atuar, eu pensava, talvez eu irei ter a chance de fazer isso um dia. Eu usaria todo o meu bairro como meu palco.

Quando eu comecei a trabalhar enquanto criança, minha mãe foi a pessoa na minha vida que ajudou a me guiar. Eu entendi que atuar era um trabalho, que eu me divertiria e que teria que aproveitar – e que se eu não tivesse gostando, eu iria parar de fazer isso. Eu também tinha que ir a escola. Essa foi a base de como eu cresci. Teve momentos quando eu tive que ser como um adulto, mas quando eu estava no set, eu me sentia como uma criança.

Eu sou grata por ter crescido no tempo que cresci. Eu acho que deve ser bem difícil ser uma criança agora, especialmente com as redes sociais. Não consigo imaginar como seria crescer com isso. É muito difícil se levantar todos os dias e apenas se sentir bem consigo mesma sem ter que viver olhando sobre a vida das outras pessoas. É por isso que eu gosto de ser vulnerável com meus fãs nas redes sociais. Eu gosto que eles vejam meus erros. Eu tento usar [as redes sociais] de um jeito que eu possa me conectar com eles. É tudo que eu posso fazer. Espero que eles saibam que ser forte não significa que você tenha que se colocar em uma fachada. Ser forte significa ser vulnerável.