Postagem por: Julia Brum
20.05.2020

Fã de carterinha da sitcom “Friends” desde de criança, Selena concedeu uma entrevista para a Interview Magazine, onde participou do desafio “Fã ou Fraude?” para saber o quão fã da série a cantora é. Confira o vídeo traduzido abaixo:

Selena: Hey, aqui é a Selena Gomez e você está assistindo o… espera, como eu categorizo isto apropriadamente? Bom eu irei dizer que eu estou aqui com a Interview Magazine.

Selena: Hey aqui é a Selena Gomez e eu estou curtindo com a Interview Magazine. [Risada]

Interview Magazine: Estas são perguntas difíceis;

Selena: Okay.

Interview Magazine: Qual é o nome do vizinho que deixa tudo para Monica e Rachel quando morre?

Selena: Senhor Heckles.

Interview Magazine: Sim. Para qual lugar Chandler diz a Janice que ele se mudou para evita-la?

Selena: Yemen.

Interview Magazine: Qual é o nome do pinguim de pelúcia do Joey?

Selena: [Longa pausa para pensar] Hum… Espera, é Huggsy?

Interview Magazine: Sim!

Selena: Uffa, okay.

Interview Magazine: Quantas categorias de toalhas Monica tem e de quantas você consegue se lembrar:

Selena: São 11. Fancy Guest, Guest… Eu não sei….

Interview Magazine: Decorative, Bathroom, Parents, Special Guest, Cleaning Kitchen, Decorative Kitchen, Towels…

Selena: Espera, isto não está no episódio. Só para constar

Interview Magazine: Quais são os nomes dos filhos de Monica e Chandler?

Selena: Hum, Jack e Erica.

Interview Magazine: Qual é o nome da canção que é tocada em gaitas de foles no casamento de Monica e Chandler?

Selena: Celebration.

Interview Magazine: Qual canção Rachel canta no casamento de Barry e Mindy?

Selena: Humm… Ela está em um vestido rosa, “Lucky Girl”? Não; Eu estou tão envergonhada… “Copacabana”?

Interview Magazine: Sim… Copacabana! Com qual das irmãs de Joey, o Chandler saiu?

Selena: Hãn… Mary Elizabeth? Não. ISSO É TÃO ENVERGONHOSO! [Risadas] Eu não sei.

Interview Magazine: Mary Angela.

Selena: Oh, Mary Angela. Uau.

Interview Magazine: O que o personagem de Brad Pitt fez para Rachel no ensino médio?

Selena: Ele disse para todos do colégio que ela tinha um pênis minusculo.

Interview Magazine: Mas o que ele começou?

Selena: Um clube de odiadores da Rachel.

Interview Magazine: O que a Monica e o Ross fazem na festa de ano novo?

Selena: Eles fazem a sua dança da sétima ou sexta série, muito icônico.

Interview Magazine: Qual é o filme que Rachel diz que é o seu favorito?

Selena: Eu não sei…..

Interview Magazine: Ligações…

Selena: Perigosas. Que droga! Vocês pegaram as mais difíceis para mim!

Interview Magazine: Qual é o filme que realmente é o favorito de Rachel?

Selena: Eu não me lembro… O verdadeiro filme favorito dela é “Um Morto Muito Louco”

Interview Magazine: Quem compra o gato sem pelos de Rachel? E qual é o nome do gato?

Selena: Gunther. O nome do gato é senhor…. Ai meu Deus, Whiskers?

Interview Magazine: Sim!

Selena: Oh, okay, okay, okay, okay.

Interview Magazine: Como está o nome de Chandler no seu guia de televisão?

Selena: Miss Chanandler Bong.

Interview Magazine: Qual é o nome da cadeira reclinável de Joey?

Selena: Rosita.

Interview Magazine: Qual sabão em pó o Ross utiliza para impressionar a Rachel?

Selena: Humm… [Sussurra ‘Merd*] Ele usa aquele com algo de músculos, viril…

Interview Magazine: Uberweiss.

Selena: Okay, eu nunca iria acertar que é Uberweiss, Desculpa. Mas eu estou indo bem, estou indo bem.

Interview Magazine: O Joey é pego tomando banho no camarim de qual estrela de Hollywood?

Selena: Eles me convidam para este jogo e bagunçam a minha mente… Me desculpa, eu não sei.

Interview Magazine: Charlton Heston. Qual fantasia o Gunther usou na festa de Halloween da Monica e do Chandler?

Selena: Eu não sei.

Interview Magazine: Charlie Brown.

Selena: Eu não sabia disso.

Interview Magazine: Qual foi a primeira palavra do bebê de Ross e Rachel?

Selena: Hum… Eu não sei.

Interview Magazine: Gleba

Selena: O que? Espera. O que?

Interview Magazine: Gleba. G L E B A

Selena: Não mas essa não conta. Você se lembra que o Ross lê o dicionario e diz que é um nome científico mas não era tecnicamente uma palavra então essa não foi a primeira palavra dela.

Interview Magazine: Qual o nome do restaurante inspirado nos anos 50 em que Monica trabalhou como garçonete?

Selena: Oh, Merd*. A gente vai ter que editar algumas partes disso pois eu estou decepcionando muita gente. Eu não sei.

Interview Magazine: Moondance Diner. Qual pessoa famosa a Phoebe pensa que é o seu avô?

Selena: Albert Einstein

Interview Magazine: Como Phoebe passa a ser chamada na última temporada?

Selena: Princess Banana-Hammock. Princess Consuela Banana-Hammock. Yeah.

Interview Magazine: Como é o nome do show de burlesque do pai de Chandler? É Viva Las Gaygas.

Selena: Sim, é isso. [Risadas]

Interview Magazine: O que mais irrita Monica relacionado a animais de estimação?

Selena: O que você quer dizer? Acho que são animais não limpos.

Interview Magazine: São animais vestidos de humanos.

Selena: Sério? Isso é da Monica?

Interview Magazine: Como o personagem do Joey em ‘Days Of Our Lives’ morreu?

Selena: Ele caiu em um fosso do elevador.

Interview Magazine: Qual é o apelido da Monica quando ela foi goleira de hockey?

Selena: Big Fat Goallie

Interview Magazine: O que Phoebe acha que Monica utiliza demais quando está cozinhando?

Selena: Alho.

Interview Magazine: Qual é o nome da boneca de pano de Joey quando ele era criança?

Selena: Hãn… Mary Louise?

Interview Magazine: Alicia…

Selena: May, Isto, Alicia May.

Interview Magazine: Quem acompanhou Phoebe até o altar em seu casamento?

Selena: Joey.

Interview Magazine: Não, foi o Chandler.

Selena: Chandler? Oh eu estou encrencada.

Selena acertou 18 das 29 questões.

Selena: Olha eu não vou mentir, eu ando assistindo muito “Will & Grace” ultimamente. [Risadas]

Tradução e Adaptação: Selena Gomez Brasil

Categorias: Entrevistas; Notícias
Postagem por: Julia Brum
20.05.2020

No inicio desta tarde, dia 20/5, Selena Gomez concedeu uma entrevista ao “Beats by Dre’s Beat x Beat: Inside Out“, que foi disponibilizada em seu canal no YouTube. Acompanhada de seus colaboradores, Julia Michaels, Justin Tranter e seus produtores, The Roommates, a cantora falou sobre o seu mais recente single “Boyfriend” e seu processo de composição e gravação. Confira a entrevista traduzida abaixo:

Selena, Justin, Julia e The Roommates dizem ‘oi’ um para o outro e Selena diz que estava sentindo muito a falta de todos.

Selena: Não houve nenhum tipo de inspiração ou algo parecido, foi algo como “vamos apenas nos divertir”. Julia me mandou uma mensagem e disse “como você está se sentindo hoje?” e eu estava como “eu não sei, eu quero um namorado”. Eu só disse aquilo pois acho que estou em um momento onde eu estou animada para o futuro. Eu não sei, eu estou aberta para isso [namorar].

Justin: Aquela faísca principal de inspiração veio e esta faísca foi a mensagem de Selena para Julia, então tudo começou a fluir.

Selena: Nós queríamos que fosse algo bastante simples mas também que tivesse esse ritmo fluído que faz com que você balance a cabeça no ritmo da música.

Justin: Definitivamente a conversa projetou o refrão e fez tudo ficar simples, descolado e sexy.

Julia: The Roommates [Produtores] tocou essa faixa que tinha esse baixo descolado.

The Roommates: Esta é a introdução [Batida de ‘Boyfriend’ tocando]. E todos estavam como “Oh, é esta a batida” e a Julia simplesmente começou a compor o refrão.

Julia: Eu apenas fui falando “I want a boyfriend but i just keep hitting dead ends, try to take a shortcut, but I get cut” e o Justin disse “Again and again”.

The Roommates: A composição, a ideia, a história por trás e o conceito fluiu tudo junto e a galera da produção trabalhou na canção por algumas semanas. São várias pequenas coisas tocando juntas que fazem um som coeso. Eu vou tocar a canção do refrão e construir para que vocês consigam entender;

A canção é tocada parte por parte, começando pelos vocais de Selena, depois a batida, depois o baixo, seguido das palmas, vocais secundários, respirações de Selena.

Justin: [Ao lado de sua mãe durante a quarentena, o compositor pede para sua mãe dizer ‘oi’ e diz que estão fazendo uma caminhada com seu cachorro] Eu estava muito compromissado de ter certeza de que todos iriam entender que há uma diferença entre querer e precisar, pois eu acho que ninguém precisa de um namorado.

Selena: Sim, eu gosto de acrescentar que eu não preciso de alguém na minha vida.

Julia: Tem esse balanço interessante de precisar e querer algo, e é por isso acrescentamos o pré-refrão “There’s a difference between a want and a need. some nights I just want more than me”.

Selena: Literalmente uma semana antes da quarentena, a gente gravou o videoclipe então estávamos pronto para lançar a canção. Sabe, eu tive dúvidas por causa do clima em que todos estão no momento mas eu acho que trouxe alegria para muitas pessoas e também é divertido. É uma música que faz as pessoas se sentirem felizes, divertidos e sexys,

The Roommates: A gente precisava disso agora. E esta canção, não queríamos que fosse algo sério, queríamos diversão então viramos para a Selena e perguntamos: ‘A canção já está pronta mas você pode dar uma risada?’ [Para colocar na canção]

O vídeo termina com todos rindo, se despedindo e dizendo que amam um ao outro.

Lançada na edição deluxe do “Rare”, o single “Boyfriend” está disponível em todas as plataformas digitais.

Tradução e Adaptação: Selena Gomez Brasil

Postagem por: Julia Brum
11.03.2020

Na última segunda-feira, dia 9 de março, foi transmitido o programa “The Kelly Clarkson Show” no canal NBC. Apresentado pela cantora ganhadora do Grammy, Kelly Clarkson, o programa recebeu Selena como convidada, onde falou sobre seu último álbum, “Rare“, e sobre como o disco foi essencial para a cantora encontrar a sua identidade como artista. Confira tudo o que rolou na entrevista:

Entrevista completa traduzida:

Kelly: [Platéia se levantando para aplaudir Selena] Vocês tem que sentar em algum momento. Isso é incrível. Acontece quando você vai a lojas? é como se você andasse e falasse “Nossa obrigada, eu cheguei.”

Selena: Não! [Risadas] Na maioria das vezes é como “aquela é realmente ela?” [Risadas]

Kelly: Nós duas somos do Texas e você recentemente esteve lá, certo?

Selena: Sim!

Kelly: Pois você não vive mais lá, certo?

Selena: Sim, eu tenho uma casa lá caso eu queira visitar minha família ou coisas parecidas, pois eu continuo indo até lá. Mas aos poucos estou movendo minha família para cá então está funcionando.

Kelly: Esperta.

Selena: Sim mas por alguma razão eu quis voltar a minha antiga escola, a minha casa de infância, o que eu faço com frequência e ah sim, essa sou eu incomodando as turmas. [Risadas enquanto um vídeo de Selena na sua antiga escola é mostrado] E eu consegui ir até lá e dizer para aqueles jovens “Eu estava aqui e eu nunca achei que fosse possível estar a onde eu estou agora” e foi tudo tão puro de se ver Meus professores lembraram de mim e um deles me abraçou e ela disse “Eu me lembro que ela falava ‘Eu vou fazer esse filme’ e eu ficava como ‘Sim é claro’ de forma sarcástica’ [Risadas]; e ela só pensava ‘Ela só estava mentindo para fugir da escola’.

Kelly: Eu também visitei minha antiga escola e eu me lembro que a minha professora de álgebra, senhora Tover e ela ficava tipo “Com todo esse dinheiro, como você vai saber o que eles estão fazendo com o seu dinheiro quando você ficar mais velha” e eu falava “Pagarei alguém pra fazer isso, esperando que eles não irão me sacanear. [Risadas]

Selena: Sim!

Kelly: E eu me lembro que ela me viu e eu disse para ela “Ainda estou esperando, dedos cruzados”. Mas você foi até a sua casa de infância

Kelly: Você foi até a casa em que você cresceu, sua casa de infância? Isso foi especial para você?
Selena: Sim… Eu tento ir para lá com frequência, é nostálgico para mim. Eu vou lá todo ano. Oh, essa sou eu [Risadas enquanto foto de Selena aparece no telão]. Eul cresci lá, tudo começou naquele lugar. Dessa vez eu tive que bater na porta pois tinha alguém lá e ninguém nunca estava naquela casa. Era um cara super tranquilo, ele disse “Sim, entre e dê uma olhada”, Ele foi bem de boa comigo lá, dizendo “Então foi você que aparentemente escreveu na minha parede” e “Então tem um berço na garagem caso você queira” e eu falei “O que? Meu berço está na sua garagem?” e ele “Sim”, e eu fiquei “Eu posso tê-lo de volta” e ele tipo “Claro”. [Risadas]
Kelly: O que?
Selena: Ele tinha todas essas coisas e eu tinha escrito nós closets que eu estava apaixonada pelo Cole Sprouse.
Kelly: Eu sou mais velha que você, quem é esse? [Risadas]
Selena: Cole Sprouse era um ator de “Zack & Cody: Gêmeos em Ação”.
Kelly: Okay, esse show eu conheço.
Selena:E eu era obcecada por esse programa. Eu achava que nós iríamos namorar e terminar juntos. [Risadas] E então eu participei do programa mas eu beijei o irmão dele e eu não consegui beijar o Cole.
Kelly: Ah não. .. [Risadas]. Eu me sinto mal por todos vocês, eu odeio atuar. Entoa eu não sei como você conseguiu fingir.
Selena: Foi meu primeiro beijo.
Kelly: Aí Meu Deus!
Selena: Sim!
Kelly: Seu primeiro beijo foi atuando com um estranho? Okay né.
Selena: Com câmeras gravando. [Risadas] Foi um dos piores dias da minha vida.
Kelly: Você sabe, o meu não foi gravado em câmeras mas o meu foi horrível. Era como se ele estivesse procurando algo com a língua.
Selena: Ah não.
Kelly: Sim e eu estava como “Não tem nada aí, só a minha boca”. E então eu fui direito ir vomitar no banheiro. Foi horrível.

Kelly: Você disse que este álbum é o seu álbum mais honesto, por que você acha isso?
Selena: Devido a começar a trabalhar muito cedo, teve uma grande parte de mim que não teve a chance de desenvolver a minha própria identidade. Então quando eu estava trabalhando com a Disney, foi o melhor momento da minha vida e eu tive os melhores momentos lá, não há nada além de coisas boas a dizer sobre a empresa, mas eu era um pouco mais controlada. Havia certas coisas que eu tinha que fazer ao invés de ir atrás e descobrir sobre como o meu som seria. Então eu constantemente estou tentando fazer a minha música ficar melhor e melhor, pois eu sei que as pessoas pensam que eu não sou a melhor cantora mas eu realmente dei tudo de mim neste trabalho e eu realmente amo compor, criar melodias e crescer. Eu senti que essa era a minha chance de dizer todas as coisas que eu queria dizer, seja falando sobre relacionamentos, sobre tempos difíceis, se sentir vulnerável ou obre ficar aprisionada em sua própria mente pois eu faço muito isso. Eu queria me sentir bem, sabe? Eu queria que sentisse que cada palavra importasse e que você conseguisse senti-las pessoalmente. Pra falar a verdade, eu estou no estúdio no momento pois eu sinto que isso me inspira e eu só quero continuar trabalhando.
Kelly: Não é engraçado? Isso sempre acontece comigo Eu faço um álbum e logo depois que ele é lançado, eu já começo a fazer o outro.
Selena: Exatamente.
Kelly: Mas eu quero destacar algo pois fazer o “The Voice” está sendo uma experiência muito interessante pois muitas pessoas sempre pensam que, como você disse, “Eu sei que as pessoas pensam que eu não sou a melhor cantora”. O melhor cantor do mundo, falando com todos nesse mundo agora, não é o que atinge notas mais altas e não é o tipo “aí meu Deus você canta como a Whitney Houston” toda vez que você solta a sua voz. O melhor cantor do mundo mexe com você e isso vem de diferentes sons e estilos. Então de uma cantora para outra cantora, o que você faz é lindo. Eu amo o seu álbum, eu amo as canções populares e que vão para o primeiro lugar das paradas mas eu também amo cantar suas músicas, elas significam algo e mexe com as pessoas. Então nunca negue o seu dom pois ele é poderoso. Era o que eu queria dizer. [Aplausos]

Selena: Obrigada.

Kelly: Quando eu ouvi “Rare” pela primeira vez, eu estava no carro e eu estava ouvindo o Spotify, ou algo parecido.E eu estava tipo “O que?” e eu sabia que era você pois eu conheço todo o seu trabalho, mas eu estava tipo “O que foi essa ideia?”. Eu pensei, como sou uma compositora, que conceito incrível que ninguém nunca fez.

Selena: Obrigada!

Kelly: Como foi que surgiu? Foi a palavra que te influenciou?

Selena: Sim, aquela música surgiu quatro anos atrás, então ela seguiu como por toda a criação do meu álbum pois eu gosto que a canção diga “Olha eu não sou perfeita”, sabe? Mas eu sei que eu mereço o melhor.

Kelly: Eu sou especial.

Selena: Sim! E eu acho que é algo muito importante a se dizer. Eu precisava que alguém tivesse dito isso pra mim pois eu me comparei a outras pessoas por anos e eu sentia que as vezes eu ficava insegura. Eu passo por coisas que todo mundo passa e essa palavra significa muito para mim pois e exatamente o que ela significa. Ela significa que cada pessoa não precisa ser como todos os outros. Você foi criado para ser o que deveria ser e é isso, sabe?

Kelly: E eu acho que até você acreditar que você é raro, ninguém mais irá acreditar. E é por isso que eu amo tanto essa canção. É como um hino empoderador. Eu realmente a amo. Foi o que eu disse a você, precisa de muito para me fazer ficar em uma esteira. E eu fui para ela pensando “Eu tenho um álbum que eu gosto” e eu estou ouvindo seu disco sem parar. Então é realmente um bom álbum. Porém você também tem uma nova linha de produtos de beleza, se chama “Rare Beauty”.

Selena: Sim! [Aplausos]
Kelly: Eu mal posso esperar para usar pois eu sou alérgica a diversos produtos. Mas o que fez você entrar no mundo dos cosméticos?

Selena: A princípio eu sempre tive essa conexão com os meus fãs, e na maioria das vezes é para falar sobre coisas reais que eles estão passando. E quando eu quis lançar a “Rare Beauty”, eu quis criar uma marca que tivesse um estilo de vida. Eu queria uma marca que fosse simples e que fosse super anti-alérgica.

Kelly: Obrigada!

Selena: Que ela não fosse testada em animais… Eu queria que qualquer garota pudesse usar, qualquer uma que quisesse usar. Mas que também pudesse construir confiança. Então é algo simples, apenas a ajuda como fazer algo do dia-a-dia. Algo que seja lindo e encorajador. Sabe, eu tenho tantas ideias por vi, a onde que possa ser algo poderoso ou que as pessoas consigam apenas se sentir bem.

Kelly: E isso é legal pois eu cresci não sabendo me maquiar. E tem muitas garotas que não sabem. Então é super legal.

Selena: Sim, é super fácil.

Kelly: E você tem uma grande quantidade de fãs mulheres. Eu amo que você não resume tudo a estética, você prioriza o que as pessoas tem por dentro. E isso é super importante.

Selena: Obrigada!

Kelly: Vamos falar de algo aleatório. Eu ouvi que você é uma fã de “Shark Tank”?

Selena: Sim, eu sou!

Kelly: Como você foi ao programa? É como ou você ama o programa ou você nunca viu. Uma vez que você vê…

Selena: É como uma tatuagem. Um episodio e você nunca mais deixará a série. É viciante. Eu vejo me sentindo como eles então eu fico tipo “Hum, royalties, essa é das boas.” [Risadas]. E eu percebi que eu tenho metade das coisas que eles criaram. Vocês também tem?

Kelly: Eu não sei.

Selena: Exatamente! Está a tanto tempo fora que eu tenho tudo.

Kelly: É como uma senhora em casa vendo TV. [Risadas]

Selena: Sim é como se eu comprasse tudo.

Kelly: Você fica tipo “Eu preciso daquilo”

Selena: Sim! Por alguma razão.

Kelly: Então, você também é obcecada por “True Crime”. Você ama tanto que você vai a algo que eu nem sabia que existia. Que é “Crime Con”?

Selena: Sim!

Kelly: O que eles fazem lá?

Selena: Então, eles nos dão um caso real.

Kelly: O que?

Selena: Sim! Então, este caso é reaberto. Você tem acesso as entrevistas, as páginas de interrogatório de 20 anos atrás, e eras realmente interessante. Ir lá e ver como tudo é feito mas eu tenho que ser honesta. Eu não sou boa nisso. Todos eram culpados para mim [Risada]; E eu estava como “Não, não, não, não… Esse cara que é o culpado.” e depois eu olhava e falava “Os dois são culpados.”

Kelly: Todos são culpados. [Risadas] Se você for chamada para julgar alguém, por favor não compareça.

Selena: Exatamente, eu sei. Mas foi bastante interessante.

Tradução e adaptação: Selena Gomez Brasil

Postagem por: Julia Brum
29.01.2020

Para a divulgação do “Rare“, Selena Gomez concedeu uma entrevista a NPR, onde falou abertamente sobre seus dois relacionamentos antigos e seus respectivos términos, sobre sua saúde mental e sobre falar o que vem do coração em suas canções, em uma das melhores e mais cruas entrevistas da carreira. Confira a entrevista traduzida:

NPR: Você tatuou o nome do seu álbum na sua nuca. De onde veio essa ideia?

SG: Essa palavra significa muito mais para mim agora do que apenas o título de uma canção. Nós vivemos em um momento onde tudo é aparência e mídias sociais. Há muitos canais diferentes dizendo para as pessoas como elas devem se portar e ser. Eu quero representar aquela pessoa que está dizendo “Você é o que você é. Você é único. Você é raro.”

NPR: Muita coisa aconteceu desde de que o seu último álbum, “Revival“, saiu em 2015. Você atraiu bastante o olho do público para si.

SG: Certo. Divertido, não? (Risadas)

NPR: Deve ter sido difícil: Dois términos públicos de relacionamento, a descoberta do Lupus, um transplante de rim… Você ficou em todas as páginas de notícias devido a isso.

SG: Eu senti que eu não tive um fechamento respeitoso disso tudo. A razão pela qual eu fiquei tão aberta sobre todos esses desafios e tribulações que ocorreram na minha vida é porque as pessoas já iam de certa forma falar sobre mim. Eu não ia ter escolha pois as notícias se espalham muito rápido hoje em dia. E na maioria das vezes, sim, não é verdade o que falam, ou é uma versão embaralhada da verdade. Eu quero ter a chance de contar a minha história do jeito que eu quero conta-la. E eu não poderia negar todas as coisas que aconteceram, eu não ia fingir um sorriso em algo que foi realmente doloroso – alguns dos piores momentos da minha vida. E eu não sei se eu iria conseguir passar por tudo isso. Há questão médicas, e obviamente, questões emocionais. Eu apenas tive que achar uma forma de contar o meu lado da história.

NPR: Você disse que esse álbum é o seu diário dos últimos cinco anos, e ele realmente soa como um diário cheio de dor. Eu gostaria de falar sobre uma das canções, “Fun” – há algumas nesse álbum em que você referência suas batalhas relacionadas a saúde mental. Você falou sobre sofrer ansiedade e depressão e em 2018, você tirou um tempo para cuidar das suas questões psicológicas. Como você está?

SG: Eu estou ótima! Estou tomando a medicação adequada que preciso tomar, para manter minha saúde mental. Eu totalmente acredito que todos devem fazer visitas preventivas a doutores ou terapeutas para sempre. Isto é algo que eu vou sempre continuar trabalhando. Sim, eu não acho que magicamente eu me sinto ótima diariamente. Tem dias em que pra mim é difícil até mesmo sair da cama ou que eu tenho grandes crises de ansiedade. Tudo isso continua acontecendo.
Acho que “Fun“, em particular, é mais sobre o meu aprendizado do assunto. Quando eu era criança, eu ficava apavorada com tempestades e isso costumava me deixar paranoica. Eu morava no Texas, então associava que qualquer trovão significaria um tornado. Então minha mãe costumava me dar esses livros, eram livros finos para crianças sobre “O que é a chuva?” e “O que é tal coisa?”, e ela me disse “O quanto mais você souber sobre algo e como funciona, você sentirá cada vez com menos medo”. Isso funciona bastante para mim agora.

Pela forma como eu olho para esses momentos bem difíceis da minha vida, acho que a única coisa que me ajudou é que eu posso utilizar isso para ajudar outras pessoas. Então sim, eu consigo sentar e conversar com outra pessoa que passou por diversos problemas de saúde, eu consigo sentar e conversar com pessoas que tiveram seus corações completamente quebrados ou com uma família que está passando por dificuldades, lutando pelos seus direitos para permanecer nesse país. Jovens que estão se preocupando com coisas que nem deveriam se preocupar nessa idade. Eu quero viver em um mundo onde uma garota de 11 anos não está prestes a cometer suicídio devido ao bullying nas redes sociais. É nisso que eu acredito que seja a minha missão. Eu acho que tenho tantos sonhos e idéias que posso retribuir. E neste momento, eu sei que isso será algo para toda a minha vida.

NPR:Lose You To Love Me” foi o seu primeiro número um deste álbum. Fale um pouco mais sobre esta canção.


SG: Eu tenho muito orgulho [da canção]. Tem um significado diferente para mim do que quando eu a escrevi. Eu senti que eu não tive um devido fechamento e eu aceitei isso, mas eu sei que eu precisava arrumar alguma forma de dizer algumas coisas que eu gostaria de ter dito. Não é uma canção sobre ódio. É uma música que está dizendo “Eu vivi algo lindo e eu nunca vou negar isso. Foi muito difícil e eu estou feliz que acabou”. E eu sinto que foi uma forma maravilhosa de dizer isso, sabe? Que acabou, que eu entendo, respeito e agora estou entrando em um outro capítulo.

NPR: Dizer adeus ao Justin Bieber que é o que eu assumo que você esteja falando agora.


SG: Você precisava colocar o nome na conversa, é eu entendo.

NPR: Você olha para o passado, quando você pensa nas partes da sua vida que foram dolorosas, das que você já superou, este relacionamento foi uma das partes mais difíceis?

SG: Não pois eu encontrei força através disso. É perigoso permanecer mentalmente como uma vítima. E eu não estou sendo desrespeitosa. Eu realmente sinto que fui uma vítima de um certo abuso.

NPR: Você quer dizer sobre abuso emocional?

SG: Sim e eu acho que foi algo que eu tive que achar uma forma de entender quando amadureci. E tive que entender as decisões que eu estava tomando. Do mesmo jeito que eu não quero passar o resto da minha vida falando sobre isso. Eu realmente estou orgulhosa que eu possa dizer que eu me sinto mais forte do que jamais me senti, e que eu achei uma forma de passar por tudo isso com a maior graciosidade possível.

NPR: Eu quero falar sobre a canção “Vulnerable” pois ela me passou a ideia de que estar vulnerável representa a habilidade de seguir em frente. O que essa música significa para você?


SG: Significa para mim que a vulnerabilidade – e eu já disse isso antes – é sinônimo de força. Como eu cresci nesse meio caótico, eu tive que aprender a como ser dura e forte, mas eu não sou essa pessoa severa. E eu tenho tudo para ser essa pessoa horrível. Desde dos meus 7 até os meus 27, eu venho trabalhando e eu sempre tive as piores coisas ditas para mim, e sobre mim, além de ser exposta ao extremo. Um dos meus problemas é que eu sempre sentia que eu era uma pessoa fraca pois choro, fico muito emocional e odeio quando uma pessoa é rude. Eu comecei, há alguns anos, entender que vulnerabilidade é na verdade um vigor. Eu brilho muito mais quando compartilho a minha história com alguém, quando estou lá por algum amigo ou quando eu conheço alguém e não sou amarga ou sarcástica. É claro que algumas vezes eu sou [amarga} mas eu tenho orgulho de estar okay em falar abertamente sobre meu coração. E na música inteira eu estou dizendo “Hey se eu te der isso, se eu me entregar inteira a você, você será forte o suficiente para estar lá por mim?”. Se não, eu irei me livrar desta situação mas ainda estarei vulnerável para o que vem a seguir.

Fonte: NPR

Tradução e Adaptação: Selena Gomez Brasil

Postagem por: Rebeca Gois
14.01.2020

Ao ser entrevistada pela revista Billboard, Selena falou sobre seu novo álbum “Rare”, novos lançamentos e sua vida pessoal.

Confira abaixo a tradução, na íntegra, da entrevista concedida pela cantora.

“Levou alguns anos para enxugar as lágrimas, mas veja ela agora,” Selena Gomez canta em “Look At Her Now,” um dos destaques de seu terceiro álbum de estúdio, Rare.

A música foi lançada em outubro, quando Gomez a lançou como uma prévia do projeto; em retrospecto, esse verso funcionou como uma prévia involuntária de Rare – encapsulando o espírito temático do novo álbum, lançado sexta-feira passada (10), mais do que qualquer outro (verso).

Em seu primeiro álbum desde Revival (2015), Gomez medita sobre as bem detalhadas dificuldades pessoais que enfrenta nesse meio tempo – problemas de saúde e términos em tabloides – mas se posiciona como renascida.

Alimentada por anos de introspecção e um novo senso de força pessoal, Gomez usa Rare para usar sua dúvida sobre si mesma e afastá-la, produzindo uma coleção rítmica e nítida de faixas pop ressuscitadas das cinzas.

“Eu queria um álbum que fizesse as pessoas sentirem algo”, diz Gomez à Billboard, “seja isso um relacionamento difícil de superar, ou um processo de reconquistar a sua confiança ou se conformar com apenas se divertir. Portanto, contêm diferentes camadas e estou muito agradecida por ter acabado se tornando o que é agora, depois de quatro anos e meio.”

A ex-estrela do Disney Channel, de 27 anos, é uma artista pop A-List há cerca de uma década: começando em 2009, seu grupo de amigos Selena Gomez & The Scene emplacaram cinco hits no top 40 da Billboard Hot 100. Quando passou a ser uma artista solo em 2013, Gomez continuou a colecionar hits nas rádios com ” Come & Get It,” “Good For You,” “Same Old Love” e “Hands to Myself.”

Desde Revival, os hits continuaram vindo com single soltos como “Bad Liar,” “Back to You,” “It Ain’t Me” com Kygo e “Wolves” com Marshmello — faixas que entraram para a versão deluxe do álbum. “No entanto, um álbum não parecia conseguir se formar conforme Gomez batalhava contra o lúpus, passava por um transplante de rim, passava por capas de tabloides com namorados famosos, e se abria com o mundo sobre seus problemas com ansiedade.

“Selena só se compromete com coisas que significam algo para ela e/ou contam uma história,” disse John Janick, diretor executivo da Interscope, ao ser perguntado sobre como teria sido trabalhar com Selena nos últimos anos. “Criativamente, a música é uma constante em sua vida, e parecia certo lançar músicas regularmente nos últimos anos. Por acaso, também foi uma estratégia inteligente na era dos streamings e permitiu que ela experimentasse gêneros diferentes. “

Gomez soa tão triunfante quanto seu novo álbum durante uma conversa pelo telefone com a Billboard na segunda-feira de manhã após o lançamento do mesmo; em uma discussão sobre as faixas de destaque do Rare, seus futuros planos para música, seu maior controle no estúdio e o abandono de sentimentos mais amargurados.

Como tem sido os últimos dias para você?

Tem sido de muito trabalho – tínhamos algumas coisas para fazer em Los Angeles e, no final do ano passado, fomos a Londres e Paris, então eu realmente não tive tempo para respirar. Mas é por uma boa causa, pois isso é provavelmente a melhor coisa que já me aconteceu.

Ao ouvir “Lose You To Love Me” e “Look At Her Now” quando foram lançadas em outubro, ficou claro que esse seria um projeto bastante revelador, mas é ainda mais pessoal do que o esperado.

Eu já disse isso antes, mas a ideia de me abrir com alguém me apavorava. Eu costumava proteger pessoas que nunca me protegeram ou se importaram comigo. E eu não queria dizer a coisa errada ou que as pessoas pensassem que eu estaria fazendo aquilo por qualquer outro motivo além de ser uma pessoa gentil – apesar de essa ser quem eu sou e eu me orgulhe disso. Eu estava farta, sabe? Farta de ficar calada e eu senti que merecia um momento para mim, após passar por tudo o que passei, e jogar tudo isso em cima desse álbum. Não havia nada em minha mente que me dissesse que eu estava fazendo a coisa errada.

Acho que cheguei em um ponto em que apenas disse que era isso o que eu faria e eu não teria medo de fazê-lo. E as pessoas podem reagir do jeito que quiserem, mas eu sei que me orgulho de lançar as músicas que lancei com o conteúdo que elas têm, porque tudo o que eu mais quero é me identificar com as pessoas — e eu quero que elas saibam que não estão sozinhas, e que se sentir assim é muito normal. Elas me viram crescer, então acho que é algo importante para eu falar nesse álbum.

Você falou sobre se tornar mais comunicativa no estúdio – mesmo com colaboradores próximos, como os compositores Julia Michaels e Justin Tranter.

Certo. Eu assumi completamente após o último ano. E eu tive as pessoas ao meu redor que eram os meus parceiros conforme tudo isso, e especificamente Justin e Julia, eles se tornaram a minha família. Eles são capazes de trazer o melhor em mim. Eu tive uma participação na produção, disse como eu queria que tudo fosse montado, as melodias — nunca me envolvi tanto assim antes, e… não poderia estar mais orgulhosa de um álbum, ou qualquer outro projeto que tenha feito. É animador, muito animador.

A música que realmente se destaca para mim é “Vulnerable“, focada na força envolvida em dar e retomar saltos de fé, mesmo quando não dá certo.

Essa é uma das minhas favoritas também, por esse motivo. Depois de ficar totalmente esgotada de viver ou o que seja… eu fiquei amargurada por um tempo. Eu estava completamente amarga e seca. Me desconectei de meus sentimentos por muito tempo. Mas vou à terapia, falo sobre tudo o que estou passando. Eu pensei: “Por que faço isso? Por que eu me entrego às pessoas, mesmo que sejam apenas amigos ou pessoas aleatórias? Por que faço isso?”

E eu percebi que era por causa de uma das minhas qualidades, que eu julgava ser uma fraqueza, ser vulnerável. Então quando trabalhamos nessa música, foi por aí que comecei. Se eu me entregar completamente a você, você será capaz de lidar com isso? E se você não for, eu continuarei sendo quem sou. Não o terei em minha vida, mas continuarei sendo quem sou.

Eu tenho adorado ouvir de várias pessoas diferentes que elas amam essa música, então isso é muito legal. Nunca se sabe — poderia se tornar um single. Eu não sei.

Há partes deste álbum que foram ou difíceis de gravar para você ou então difíceis de ouvir agora, novamente?

Eu trabalhei no álbum por quatro anos, então há músicas que nós terminamos na fase de encerramento, indo e mixando o álbum, então há uma variedade disso. O que tem de interessante nessas músicas é que… elas significam algo diferente para mim agora. E eu acho que esse é um dos motivos por eu ter esperado. Eu não queria ser desencadeada pelas mesmas coisas — eu queria sair do que estava sentindo e, em seguida, queria comemorá-lo. E foi o que aconteceu.

Quando escrevi “Lose You To Love Me“, eu estava uma bagunça. Foi muito difícil para mim. E no momento em que gravamos o videoclipe no final do ano, ela tinha um significado completamente diferente para mim e foi muito libertador. Foi divertido, na verdade — eu acho que, por eu ter me desapegado daquilo, me senti muito livre. E eu não poderia imaginar uam forma melhor de encerrar um capítulo.

Quando o álbum saiu na semana passada, você também lançou um videoclipe para a faixa-título. “Rare” é oficialmente o próximo single, correto?

Siim! Eu sempre amei essa música e sempre quis que fosse o nome do álbum. E eu senti que foi um ótimo complemento para onde eu parei com meus outros singles, porque é honesto e cru, e basicamente diz “Eu não tenho tudo, eu não sou perfeita, mas eu sei que mereço coisas boas e eu mereço ser amada, e eu mereço tudo disso, amor-próprio.” É apenas uma daquelas coisas em que você é confiante, mas sem ser arrogante.

Lose You To Love Me” atingiu o topo da Hot 100 ano passado, e se tornou o seu primeiro número 1 no chart. Você tem alguma meta específica para o álbum atingir esse ano?

Especificamente este ano, quanto a tudo, tenho trabalhado muito em coisas que mal posso esperar para falar e lançar. Eu acho que com a música não vou parar — o que é a primeira vez para mim. Normalmente, depois de concluir um projeto, sinto-me bem em descansar por um tempo. Mas acho que vou continuar fazendo isso, e talvez alguns projetos paralelos com a música. Tenho todos esses objetivos diferentes e sinto que estou no lugar mais feliz que já estive na minha vida, e digo isso com muita convicção. Então eu acho que as possibilidades são infinitas.

Essa é uma mentalidade muito encorajadora, especialmente quando resultou neste álbum.

Levei alguns anos para superar alguns problemas. Mas se saiu ótimo!

Postagem por: Julia Brum
02.12.2019

Foi disponibilizado no dia 11 de novembro, o último episódio da série “Giving Back Generation” , idealizada por Raquelle Stevens, melhor amiga de Selena. Em formato de vodcast, a série tem como objetivo incentivar novas gerações a retribuir boas ações através de conversas profundas e pessoais de ícones e influenciadores da cultura pop em geral como Selena GomezNina Dobrev e Sofia Carson

O último episódio da série é uma conversa franca e crua entre Selena e Raquelle sobre como ela se sentia em ser um modelo a seguir quando era mais jovem, sua relação com as redes sociais e como a cantora superou as suas dificuldades. Confira abaixo os destaques de Selena no vodcast: 

Sobre a relação de Selena com as redes sociais e como os comentários sobre seu peso a afetaram:  

“Eu quero que as pessoas tenham uma boa relação com as mídias sociais. Não é algo que irá se desfazer em alguns anos. Mas reconhecendo que o mundo real está na sua frente e tentando prestar atenção nisso, é algo saudável. Quando eu faço um esforço para postar algo nas redes sociais, sobre o que eu estou fazendo, é importante para mim ter certeza de que aquilo é 100% autêntico e uma vez que eu postei, está postado. E é isto. Eu vejo tantas garotas lindas e com personalidades diferentes e então elas são demolidas por uma imagem que elas estão tentando perseguir. Elas querem ser uma pessoa completamente diferente, mas não é isso que está dentro delas, sabe? Mas eu entendo.

Eu olho para os perfis sociais de outras pessoas e eu fico tipo – ou costumava- , okay, eu preciso me consertar.

Sobre a experiência de Selena com body shaming [comentários ofensivos e inapropriados sobre seu corpo]:


“Minha primeira experiência relacionada a este assunto foi sobre a minha variação de peso. Eu tenho Lupus, lido com problemas renais e tenho pressão alta, então lido com muitos problemas de saúde e após tudo isso foi quando eu comecei a perceber mais sobre a minha imagem corporal. Não, [o lúpus não afeta meu peso]; é a combinação de todos esses problemas de saúde que afetam. É o remédio que eu tenho que tomar pelo resto da minha vida, as vezes depende até do mês para ser honesta. Então para mim, eu realmente notei quando as pessoas começaram a me atacar por isso [meu corpo]. Na realidade, essa é a minha verdade. Eu me deixo levar por esses comentários. Depende do que está acontecendo na minha vida quando recebo estes comentários. É como… [é totalmente fora do meu controle] e me afeta bastante. Eu acho que tudo isso realmente mexeu um pouco comigo.  
Eu sou muito feliz vivendo esta vida. Estávamos conversando sobre isso antes, de viver no presente. É como eu postar uma foto e depois sumir das redes sociais. Vou fazer um tapete vermelho, vou fazer o que for e eu não preciso ver o que eu fiz. Eu fiz e ponto. Eu participei. Eu me senti maravilhosa e é apenas isso. Eu não ligo de ter uma grande exposição e ouvir o que todos tem a dizer sobre mim. “


Sobre passar por momentos difíceis de forma privada:  


“Definitivamente minha fé ajuda. Mas também são as pessoas que me cercam. Então eu sinto que essas duas partes são importantes. O que eu diria sobre como ajudar alguém que está passando por algo difícil é que em primeiro lugar eles querem ser visto e querem ser ouvidos. Então eu só os ouço e não é como se eu tivesse a resposta ou algo presente para dar a eles. É mais sobre como nós podemos conversar e passar pela mesma coisa, como de ansiedade a depressão, ou como trauma, amor e corações partidos. Se torna uma parte da minha identidade e é como eu me comunico com as pessoas. Sou uma grande defensora da terapia, é claro, mas também está ligado ao o que você está ouvindo ou assistindo. É muito importante estar atento a isso. Eu tenho muito esses momentos reais. Mesmo que apenas por alguns segundos, se eu posso tocar o rosto deles e lhes dizer o quão maravilhosos eles são e que eu já presenciei as suas dores, que eu vejo as dores deles, que eu estou ali por eles e então eu tenho um momento com eles. É isso que me faz continuar a viver minha plataforma dessa maneira, são esses momentos. 

Minha fé definitivamente me ajuda quando estou me sentindo ansiosa ou deprimida. Eu acho que assim que eu comecei a realmente entender a minha espiritualidade e a acreditar em algo muito maior que eu, foi muito importante pra mim. Pois eu não acredito que eu consiga passar por esta vida sozinha. Eu sei que nós não somos perfeitos. Eu sei que a Palavra que eu leio vive em mim, todos os tipos de história de dor, provações, redenção e restauração… então eu acredito bastante nisso. Meus amigos também me ajudam. Vocês me ajudaram a passar por muita coisa e caminharam todo esse longo caminho comigo.”


Sobre a mais gratificante lição de vida que ela já aprendeu:  


“Eu quero encontrar a maneira mais expressiva de dizer: trate as outras pessoas da maneira que você gostaria de ser tratado para não ter medo de ser vulnerável pois a vulnerabilidade te deixa mais forte, e não mais fraco. Para mim, outra grande lição é aprender com as pessoas que mais me machucaram de perdoa-los e continuar a entender e ter compaixão pelas pessoas.”

Sobre encontrar significado nas dificuldades em que passou:

“Tem uma parte de mim que teve que ter um diálogo comigo mesma sobre muitas coisas que aconteceram comigo, mas eu sinto, pessoalmente, que passei por tudo isso e continuarei passando por dificuldades na minha vida por uma questão de conexão. Eu amo meu trabalho. Eu trabalho o máximo que eu posso. Eu estou sempre na hora para os meus compromissos. É importante tentar ter esse diálogo na minha cabeça. Às vezes é como ‘por que isso está acontecendo comigo? Por favooooooor!’”

Sobre deixar pra trás a imagem da imagem da Disney e se tornar mais confortável em se tornar mais vulnerável publicamente: 

“Uma vez que eu quebrei essa barreira, pois ao ter sido parte da Disney – o que por sinal, foi uma das melhores experiências da minha vida – você retrata uma imagem e é necessário que tenha essa imagem e que seja um modelo a ser seguido. Mas no momento em que comecei a derrubar essas paredes, me senti muito exposta, por estava muito hesitante em compartilhar experiências com as pessoas. Então, eu me sentava, dava as respostas politicamente corretas, falava sobre coisas em que estava trabalhando, coisas que talvez as pessoas quisessem ouvir… e no momento em que eu comecei a deixar pra lá esse sentimento de julgamento ou ser exposta para o público, foi quando eu percebi que isso era um dom. Eu estava com medo. Eu não queria que as pessoas soubessem, mas a vida que me foi dada, eu acredito que tenho que compartilhá-la. “

Você pode conferir o último episódio da série, disponibilizado de forma gratuita, através do aplicativo “TaTaTu” clicando aqui.

Fonte: Elle

Tradução e Adaptação: Selena Gomez Brasil

Nome: Selena Gomez Brasil (SGBR)
Desde: 21 de Setembro de 2008
Webmiss: Érika Barros
Co-webmaster: Samuel Rodrigues
Design & programação: Dieux Design & Luana Machado
Entre em contato com nosso site