Postagem por: Julia Brum
22.07.2020

Após Selena Gomez e a Rare Beauty anunciarem o “Rare Impact Fund”, a Forbes fez uma matéria sobre o assunto, explicando o que é e como irá funcionar o ato filantropo. Confira a entrevista traduzida:

Se você é um dos 1 em cada 5 adultos com transtornos relacionados a saúde mental nos Estados Unidos, mesmo em 2020, tendo um diagnóstico ou indo ao tratamento pode parecer isolado, vergonhoso e estigmatizante. A Dra. Jane Delgado, presidente e CEO da Aliança Nacional para a Saúde Hispânica, explica: “A questão do estigma continua enorme. Há um estigma no reconhecimento do problema, um estigma que obriga as pessoas a tentar resolver por si próprio, estigma para procurar ajuda profissional e estigma quando você começar a tomar o medicamento.” Talvez seja por isso que quase 1/3 dos americanos tenha expressado preocupação com os outros julgando-os por receber tratamentos relacionados a saúde mental, e menos da metade das pessoas que têm diagnóstico recebem o tratamento de que precisam. Mas tudo isso pode ser diferente se considerarmos a saúde mental como algo comum, o mesmo que ter qualquer condição de saúde física ou, francamente, normal.

Uma maneira de chegar lá é com a ajuda da auto-divulgação e defesa de pessoas conhecidas e respeitadas por outras pessoas. Quando as celebridades compartilham suas próprias histórias de saúde mental, não é apenas mais uma manchete, ela tem um impacto real e positivo. De repente, os fãs podem se sentir menos sozinhos porque tiveram as mesmas lutas, ou podem se sentir mais seguros em procurar tratamento porque essa pessoa fez. Foi exatamente o que aconteceu quando Selena Gomez contou a Miley Cyrus em seu Instagram show, “Bright Minded‘, sobre seu diagnóstico bipolar em abril. Esta missão se completou hoje, em seu aniversário de 28 anos, quando Gomez anunciou o Rare Impact Fund. Ela arrecadará 100 milhões de dólares nos próximos dez anos para ajudar a solucionar as lacunas nos serviços de saúde mental, particularmente para comunidades carentes. Para atingir esse objetivo, um por cento de todas as vendas dos produtos da Rare Beauty, sua marca de beleza, e os recursos arrecadados de seus parceiros, serão direcionados para o fundo. Quando o fundo atingir 100 milhões de dólares, será um dos maiores fundos conhecidos em apoio à saúde mental de uma entidade corporativa.

Gomez explica que quando ela começou sua empresa, a Rare Beauty, era importante que houvesse uma mensagem por trás disso. Ela achava que, como sociedade, somos regularmente bombardeados com imagens que “fazem as pessoas se sentirem menos ou com a necessidade de alcançar uma perfeição, o que é absolutamente inatingível”. Ela sabia que a saúde mental estaria como lema de sua missão, em parte porque: “Fui aberta sobre as minhas próprias lutas pessoais relacionadas a saúde mental e me senti afetada por me sentir inferior. Após me abrir sobre o assunto, ouvi muitos jovens, ao longo dos anos, lutando também, e isso é algo muito próximo do meu coração.” Em outras palavras, sua história inspirou outras pessoas a compartilhar suas verdades, derrubando barreiras, estigmas e disponibilidades para conversas. Iniciar o fundo é realmente apenas o próximo passo.

Na saúde mental, esse tipo de financiamento é especialmente crítico. A Dra. Christine Moutier, diretora médica da Fundação Americana para Prevenção do Suicídio, explica que o investimento federal em saúde mental é “uma quantia desproporcionalmente minúscula”, mas há evidências claras de que o investimento em alfabetização, pesquisa e programas em saúde mental funciona e leva melhorar a saúde física, os resultados no local de trabalho e os relacionamentos. No entanto, como observa o Dr. Moutier, “ainda não conseguimos nosso investimento federal como nação. Nós chegaremos lá, no entanto, através de esforços de defesa e conscientização, como a organização de Selena está fazendo.”

Fora do estigma, o sistema de saúde mental ainda tem outras barreiras – como custo e acesso. Dr. Scott Rauch, psiquiatra-chefe do Hospital McLean, diz que “a capacidade do sistema de saúde é insuficiente para fornecer serviços psiquiátricos. De crianças a idosos, e em todos os tipos de doenças psiquiátricas, desde depressão e ansiedade, distúrbios psicóticos, distúrbios de uso de substâncias e condições relacionadas a trauma, precisamos aumentar esses serviços. ” Essas necessidades são amplificadas apenas em populações carentes. A Dra. Delgado destaca que a clínica de língua espanhola da UCLA luta para atender à demanda há 40 anos, e um programa da cidade de Nova York chamado Life is Precious, que trabalha com garotas hispânicas, que ela nota ter as maiores taxas de tentativas de suicídio, perdeu seu financiamento devido à demanda do Covid-19. Ela acrescenta: “Claro que há estigma, mas mesmo quando as pessoas querem ajuda, há muito poucas opções”.

Nesse ponto, Gomez diz: “O simples fato de existirem comunidades ‘mal atendidas’ é um problema. Existem pessoas que não têm acesso adequado à Internet para começar a encontrar ajuda, muito menos poder pagar recursos ou o preço de quaisquer medicamentos que possam ser necessários. Todos devem ter acesso a recursos adequados de saúde mental, bem como a cuidados médicos em geral.”

O fundo Rare Impact visa adicionalmente “combater a epidemia de solidão crônica”, que só se tornou maior durante o Covid-19. Gomez explica: “Acredito que através desse distanciamento social e pandêmico, todos aprendemos a importância do contato real e da conexão humana. Todos somos culpados de gastar muito tempo em nossos telefones, seguindo a vida de outras pessoas – metade do tempo são pessoas que nem conhecemos e achamos que a vida delas é perfeita e que estamos perdendo alguma coisa. Eu acho que leva as pessoas a se sentirem sozinhas.” Talvez, mesmo quando pareçam muito conectados, seja por isso que os jovens de 18 a 22 anos sejam a “geração mais solitária”. O Dr. Rauch diz que os desafios da pandemia foram amplificados apenas pelas muitas interrupções em nossos “relacionamentos e rotinas e pelas maneiras pelas quais nos separamos de nossos colegas, amigos e familiares”. Ele sente que, quando nos deparamos com perda, trauma, estresse ou sofrimento, os sistemas de apoio são críticos. Moutier ressalta: “Nós, humanos, prosperamos melhor quando nos sentimos conectados aos outros”.

Uma das maneiras pelas quais a Rare Beauty já está trabalhando nisso, é a realização semanal de “Rare Chats” via Zoom para pessoas da “comunidade Rare” se conhecerem melhor. Gomez os descreve como “um espaço muito íntimo e seguro, onde as pessoas podem ser vulneráveis ​​e sabem que há outras pessoas por aí se sentindo da mesma maneira ou apenas fazendo com que as pessoas tenham alguém para coloca-las para cima”. Ela os chama de “incríveis e inspiradores”. Essas idéias de conexão só aumentarão com a ajuda do fundo, que espera criar mais ferramentas, recursos e suporte mútuo – online e offline. O que o fundo será guiado, em parte, pelo “Conselho de Saúde Mental da Rare Beauty”. O Dr. Rauch e o Dr. Delgado são membros, juntamente com o Dr. Marc Brackett, que é o diretor fundador do “Centro de Inteligência Emocional de Yale” e professor do “Centro de Estudos da Criança da Escola de Medicina de Yale”, além de outros consultores especializados das principais universidades, organizações e empresas focadas em saúde mental, a serem anunciadas posteriormente.

Por fim, não há momento melhor do que o presente para iluminar a conversa sobre saúde mental, especialmente porque o Covid-19 colocou em foco o quão comuns são as lutas relacionadas ao assunto. Gomez acredita que “trouxe à tona quantas pessoas estão lutando com depressão, ansiedade e outras condições de saúde mental – e, ao mesmo tempo, expôs quantas não têm acesso a recursos adequados ou não sabem por onde começar.” Dr. Moutier explica: “O Covid-19 definitivamente foi outro momento decisivo para o diálogo sobre saúde mental, onde todas as pessoas estão envolvidas no tópico estresse, incerteza e medos em muitos níveis. E as pessoas com experiência vivida de lutas em saúde mental estão falando sobre como elas realmente se sentem mais vistas e compreendidas do que nunca, então esse é um aspecto positivo ”.

Um pensamento positivo que tem a esperança de continuar muito depois da pandemia, por causa de pessoas como Selena Gomez. Ela falando sobre sua própria saúde mental, tirando a conversa da escuridão e agora, investindo nela, salvará vidas.

Ela diz: “Adoro a palavra” raro “e quero que todos encontrem o poder no que os torna raros. Todos nós precisamos abraçar nossa singularidade, parar de nos comparar com os outros e nos amar mais. ”

É justo que a senhorita Gomez goste tanto da palavra, porque seus cuidados com a saúde mental e o desejo de mudança é exatamente isso: Raro.

Fonte: Forbes

Tradução e adaptação: Selena Gomez Brasil

Postagem por: Julia Brum
22.07.2020

Há exatamente 28 anos, nascia em Grand Prairie, a cantora, atriz, ativista, empresária e produtora, Selena Marie Gomez. Talentosa desde de pequena, Selena iniciou sua carreira em 2000, com o programa “Barney e Seus Amigos”. Desde de então, a estrela já atuou em mais de 40 projetos audiovisuais, lançou 6 álbuns, fechou parcerias com diversas marcas influentes e acumula vários singles multi platinados, sendo uma das pessoas mais influentes de sua geração.

Que Selena tem uma carreira de sucesso, não é segredo para ninguém. Mas não foi só por números que a artista alcançou uma legião de fãs, batizados carinhosamente por ela como Selenators. Dona de um coração enorme, Selena trabalha com projetos filantrópicos desde dos primórdios de sua carreira, sendo uma das pessoas mais jovens da história a se tornar embaixadora da UNICEF. A ativista também é uma das maiores porta-vozes no tratamento do Lúpus e recentemente abriu seu Instagram para que pessoas da comunidade preta pudessem educar seus seguidores em assuntos relacionados a racismo, saúde mental e empoderamento negro.

Como seu mais recente álbum diz, Selena é uma pessoa extremamente rara. Totalmente HUMANA, Selena esbanja gentileza e carisma em todos atos de sua vida, mesmo nas mais difíceis batalhas e dificuldades que diariamente enfrenta. Uma grande inspiração, a multitalentosa demonstra uma força inigualável, além de um enorme carinho pelas pessoas que a admiram, sempre empoderando seus fãs com canções sobre superação, auto-estima, relacionamentos e se encontrar após se perder.

Neste dia, o Selena Gomez Brasil só tem a agradecer pela dádiva de termos Selena completando mais um ano, mesmo após todos os problemas emocionais e de saúde que a cantora enfrentou em um passado recente. Esperamos que neste novo ano, a estrela atinja novas gratificações em sua carreira, ultrapasse seus objetivos pessoais e continue transmitindo o amor e felicidade que sempre esteve presente em si.

Em comemoração a esta data tão especial, o SGBR preparou um projeto com selenators de diversos países. Transitando entre canções do “Rare“, o vídeo conta a história de superação que Selena contou em seu mais recente disco, inciando com a música “She“, onde a cantora reconhece que todas as dores que passou e que está cercada de pessoas que a colocam para baixo. O vídeo segue com “Rare“, onde Selena reconhece o quão rara e única ela é. Em “People You Know” e “Cut You Off“, a estrela percebe que nem todas as pessoas permanecerão ao seu lado e que é necessário retirar pessoas tóxicas de sua vida. “Dance Again” demonstra Selena deixando todos seus erros para trás, finalmente conseguindo ‘dançar de novo’. “Vulnerable” destaca que seus ‘defeitos’ a completam enquanto “Lose You To Love Me” mostra a força do amor próprio. A homenagem termina com “Look At Her Now“, refletindo a superação de Selena, sendo o melhor de si mesma. Confira:

Texto: Equipe Selena Gomez Brasil

Postagem por: Equipe SGBR
20.10.2019

Após anunciar seu novo single, “Lose You To Love Me”, Selena Gomez está começando a preencher sua agenda com novos eventos. A cantora foi listada entre os principais convidados do jantar anual da ACLU (American Civil Liberties Union) em celebração a Declaração de Direitos, que acontece no dia 17 de Novembro no Beverly Wilshire Hotel.

A ONG, que luta para defesa dos americanos através da aplicação correta da constituição, aproveitou o impacto do documentário lançado por Selena, “Living Undocumented”, para processar o governo americano contra os maus-tratos passados pelas famílias imigrantes e seus aliados.

Entre os outros convidados desta edição, estão Don CheadleJustin Tranter, Judy Balaban, Regina Hall e Chrissy Metz.

Categorias: Filantropia
Postagem por: Equipe SGBR
14.10.2019

O documentário “Living Undocumented” (no Brasil, “Realidade Não Documentada”), lançado no início do mês como uma parceria entre Selena Gomez e a Netflix, facilitou o fichamento de um processo movido pela American Civil Liberties Union of Missouri (ACLU), representando a advogada Andrea Martinez, contra a Immigration and Customs Enforcement (ICE) e o Governo Federal dos Estados Unidos, como informa o site da VULTURE.

Simplificando os nomes, a ACLU é a “União Americana pelas Liberdades Civis”, uma ONG com a missão de garantir os direitos dos cidadãos de acordo com as leis vigentes nos Estados Unidos. E a ICE é uma agência do Departamento de Segurança Interna dos EUA responsável pelos serviços de Imigração e Alfândega do país.

[ATENÇÃO! Spoiler da série a seguir]

Nos dois primeiros episódios, acompanhamos o caso de Luis Diaz, sua namorada Kenya e o jovem Noah, de 3 anos, que enfrentavam a possibilidade de serem deportados para a Honduras. Com Kenya grávida e sob custódia em uma sede da ICE, Luis teve que entregar a criança para os oficiais, enfrentando a possibilidade de também ser retido, como suas advogadas Andrea e Megan Galicia haviam o alertado.

Durante o decorrer dos eventos, “Living Undocumented” registrou o momento em que os oficiais Everett Chase e Ronnet Sasse conduziram Noah e Luiz, detido na entrega, para dentro do prédio e impediram as advogadas de acompanhar-los, com isso, um dos agentes acaba por empurrar Andrea, que sofreu lesões com a queda e precisou sair com apoio de paramédicos. Luis, apesar de não ter histórico criminal, ficou detido por 2 meses sofrendo provações para induzir seu processo de deportação, enquanto Kenia e Noah voltaram para a América Latina.

A ONG está processando o governo por “uso excessivo de força” e “busca e apreensão ilegal”, violando a Quarta Emenda da Constituição Americana, assim como também acusou os dois funcionários por “violação, agressão, detenção falsa, prisão falsa e inflição negligente de sofrimento emocional”.

Confira a tradução das falas da advogada para o site da VULTURE:

“Este processo é sobre se posicionar contra o ICE, não só por eu ter sido injuriada, mas se eu não os acusasse, o ICE sairia impune disto, e eles escapam de muitas coisas. Eles machucam as pessoas. Eles abusam dos imigrantes. Eles maltratam os migrantes e, simplesmente, esperam que não vão ser processados porque imigrantes são vulneráveis e, provavelmente, serão deportados antes de uma ação judicial ser aberta. Nós dizemos aos nossos filhos para se posicionarem contra os valentões, e é isto que farei com este processo. Aconteceu de meus valentões serem os Estados Unidos da América […] É interessante se assistir no documentário, relembrar aquilo e não ter ideia de que tinha acabado de quebrar um pé. Quando você está no modo advogado e representando uma criança de 3 anos que acabou de ser separada à força, o lado jurista te domina e você está preocupada apenas com Noah. Haviam muitas coisas acontecendo ao mesmo tempo. A causa movida não pede uma resolução específica. Vamos deixar a corte fazer sua determinação, nós acreditamos realmente que uma questão de princípios, de não deixar os agentes do ICE escaparem da culpa de agressões e certificar que estes indivíduos estejam sob custódia de forma responsável. Minha opinião é diferente do júri americano. As pessoas tem o direito de protestar pacificamente em lugas públicos e não há desculpas para a violência dos agentes do Estado só porque eles não sabem o que fazer enquanto estão sendo filmados.”

“Living Undocumented” está disponível na Netflix para o mundo todo!

Tradução e Adaptação: Selena Gomez Brasil

Postagem por: Equipe SGBR
01.10.2019

No dia 13 de setembro, Selena Gomez compareceu ao Jantar de Gala do McLean Hospital, onde recebeu uma homenagem, o The McLean Award, devido seu apoio às causas relacionadas a Saúde Mental.

A cantora fez um emocionante discursos para os demais convidados, em que abordou a importância de educar outras pessoas sobre os dilemas acerca do assunto, contando casos pessoais que vivenciou. Assista às declarações de Selena:

Após o evento, a produtora de “13 Reasons Why”, publicou, em seu Instagram, uma mensagem agradecendo ao convite:

“Tão orgulhosa por ter feito parte do Jantar Anual do McLean Hospital e me senti honrada e permitida a compartilhar um pouco da minha história. Obrigada, Doutor Rauch por me convidar e passar tempo falando comigo sobre saúde mental. E obrigado a toda a equipe do McLean. E um enorme obrigado ao David O Russel por me colocar em contato com essas pessoas maravilhosas. Estes são momentos nos quais sou grata pela plataforma que Deus me deu. ❤”

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Selena Gomez (@selenagomez) em 18 de Set, 2019 às 11:38 PDT

Postagem por: Equipe SGBR
22.07.2019

Selena é a terceira pessoa mais seguida do Instagram. Até o fechamento desta matéria, eram mais de 153 MILHÕES de seguidores no perfil da cantora na plataforma.

Apesar de não atualizar sua conta com frequência, seus posts alcançam números exorbitantes de curtidas e comentários – as fotos menos curtidas em seu perfil no ano de 2019 ultrapassaram a marca dos 3 milhões. E, mesmo que a cantora defenda o uso responsável das redes sociais em entrevistas, muitas pessoas ainda não percebem o quanto Selena se dedica para tornar sua plataforma um ambiente saudável e relevante para quem a acompanha.

Você pode estar pensando: “Ah, mas ela sempre está postando fotos sorrindo, de biquíni, mostrando a boa vida que tem” – e, sim, ela realmente compartilha alguns de seus bons momentos com sua legião de seguidores, mas ela também destina muito de seu tempo – e de seus posts – para apoiar causas importantes para a sociedade norte-americana e mundial.

Na Coluna SGBR deste mês, vamos conhecer melhor as causas que Selena apoia e assuntos sobre os quais já se pronunciou em sua plataforma no Instagram e também em outros momentos de sua carreira.

 

Você sabia que, aos 17 anos, Selena se tornou a mais jovem embaixadora da UNICEF?

O Fundo das Nações Unidas para a Infância apoia e realiza ações ao redor do mundo promovendo os direitos de crianças e adolescentes a educação, moradia, saúde, entre outros, e trabalha para que esses direitos se transformem em princípios éticos definitivos e em códigos de conduta internacionais para as crianças.

Selena realizou numerosas campanhas com a organização em defesa de crianças vulneráveis. A cantora compartilhou algumas fotos das viagens que realizou pela UNICEF em seu perfil no Instagram.

Em janeiro de 2013, Selena também organizou e se apresentou em um show beneficente para a organização que arrecadou aproximadamente 150 mil dólares em uma noite.

Na época, a cantora ainda se apresentava com a banda The Scene e conquistou o público ao cantar, com sua voz doce, canções pop clássicas como “Cry Me a River”, de Justin Timberlake e “I Knew You Were Trouble”, de Taylor Swift, além de alguns de seus hits com a banda, como “Round & Round”, “Naturally” e “Love You Like A Love Song”.

<
Selena também realizou outros dois shows beneficentes em prol da instituição.

Você pode ver mais sobre o que a cantora realizou pela UNICEF clicando aqui ou aqui.

 

Engajada com o A21

O A21 é uma organização mundial sem fins lucrativos que luta para abolir a escravidão e o tráfico de pessoas. Eles trabalham através de campanhas de conscientização, prestação de suporte jurídico para vítimas, reintegração social dos sobreviventes e várias outras atividades que podem ser conferidas aqui.

Selena revelou através de sua entrevista para a Elle Magazine que começou a atuar ativamente da instituição em janeiro de 2018, seguindo jornadas semanais de trabalho e realizando viagens com a ONG, que foram divulgadas posteriormente em seu perfil. Relembre neste link.

 

Selena está ajudando na projeção de uma indústria do entretenimento mais igualitária com o Young Executives Fellowship – Empowerment at Entertainment

Como resultado da reunião de várias empresas dos ramos televisivo, musical e cinematográfico, o Young Executives Fellowship é um programa anual de distribuição de bolsas de estudos para jovens que não possuem grandes oportunidades. Saiba mais sobre a iniciativa aqui.

Selena participou do evento de gala realizado para a estreia do projeto, onde discursou sobre a importância de se dar a mesma oportunidade a novatos e se encontrou com a apresentadora Oprah Winfrey.

A cobertura do evento está aqui em nosso site. Clique aqui para ver tudo o que aconteceu.

 

Em parceria com a Pantene, Selena ajudou a empoderar pacientes com câncer

A #BeautifulLenghts foi uma campanha promovida pela Pantene, marca a qual Selena é embaixadora global, com o objetivo de arrecadar perucas para mulheres com câncer. O movimento funcionou através de doações de 8 polegadas (aproximadamente 20 centímetros) de cabelo ou de 8 doláres (aproximadamente R$30,00), que seriam destinados para a confecção.

Selena colaborou divulgando a campanha em seu perfil no Instagram e participando das doações.

 

Selena é uma parceira fiel do WEDay

O WEDay é um evento televisionado com o objetivo reunir centenas de pessoas, de grandes profissionais a jovens estudantes, para que se comprometam a tomar ações tangíveis e ajudem a tornar o mundo um lugar melhor. Informações completas sobre as atividades realizadas pelo programa podem ser acessadas por aqui.

Selena participa ativamente desde 2013 do programa, onde já foi convidada, apresentadora e até mesmo atração musical com “Kill’Em With Kindness”. Relembre todos os posts da cantora sobre o evento em seu Instagram clicando aqui.

 

Selena é a maior voz da comunidade afetada pelo lúpus

Um dos principais núcleos apoiados por Selena, o Lupus Research Alliance é uma organização voluntária focada nas pesquisas sobre o lúpus, doença auto-imune que afeta a saúde da cantora e outros 5 milhões de pacientes no mundo. Em um outro momento da Coluna SGBR, detalhamos como tal quadro clínico altera a rotina de seus portadores.

Um dos principais pontos das interações entre Selena e a Lupus Research Alliance começou com a divulgação de que a artista passou por um transplante renal para amenizar os sintomas pelos quais estava passando em 2017, e o anúncio de sua entrevista com Francia Raisa, amiga e doadora, para a NBC.

As relações entre Selena e a instituição também foram além das plataformas digitais com o apoio de grandes marcas e dos próprios fãs. Em 2016, a cantora firmou uma parceria durante a “Revival World Tour” que dedicava parte das arrecadações dos shows para a LRA. Assim como também dedicou todos os lucros do Phenom Lux, seu primeiro modelo em parceria com a PUMA. A marca esportiva também colaborou com a criação da DEFY City, uma exposição em que os convidados poderiam imergir no mundo da cantora e interagir com a ONG.

Selena também criou um fundo de doações para as pesquisas sobre o lúpus na Escola de Medicina de Kech, na Universidade da Califórina do Sul (USC) e você pode contribuir com qualquer valor por aqui.

 

E a corrente do bem com o Ice Bucket Challenge?

A campanha Ice Bucket Challenge (Desafio do balde de gelo) mobilizou famosos do mundo inteiro, viralizando nas redes sociais. O desafio foi uma campanha solidária para ajudar a ALS Association, uma organização americana sem fins lucrativos que arrecada fundos para financiar pesquisa e ajudar pacientes com a Esclerose Lateral Amiotrófica.

Desafiada por Taylor Swift e Ryan Seacrest, Selena anunciou em seu vídeo que toda sua equipe estaria participando e doando para a campanha, além de repassar a missão para Cara DelevingneJames Franco e a modelo Suki Waterhouse. Os desafios geraram uma receita superior a 100 milhões de dólares e, de acordo com a Billboard, o vídeo de Selena foi o 5º mais popular entre os publicados por celebridades. Assista aqui.

 

Step Up: Emporaderando mulheres com a Coach

Após assinar sua parceria com a Coach, Selena realizou uma visita em nome da marca em unidades da organização Step Up, que trabalha para a criação de uma geração de grandes líderes femininas a partir de jovens garotas de comunidades pobres.

A cantora foi mentora por um dia e debateu sobre como as dificuldades que meninas de vários lugares do mundo passam para conseguir se tornarem grandes profissionais e que, independentemente das dificuldades, elas estão destinadas a quebrar barreiras e padrões, além de outros assuntos.

 

Selena se emocionou ao contar história de vítimas de furacões

Após os eventos desastrosos causados pelos furações Harvey, Irma e Maria em 2017, milhares de pessoas se uniram para arrecadar fundos para as vítimas. Uma das principais ações foi o Hand In Hand, um evento televisionado que foi realizado para atrair a atenção do público para o sofrimento pelo qual as pessoas estavam passando e quão grave estava a situação nas regiões afetadas. Durante a transmissão, Selena narrou a triste história da família Saldivar, ressaltando a importância de uma união sem preconceitos em prol das vítimas. Confira a chamada que foi publicada em seu Instagram:

 

 

View this post on Instagram

 

A post shared by Selena Gomez (@selenagomez) on


Além disso, Selena participou do One Voice: Somos Live, um outro evento beneficente, promovido desta vez por Jennifer Lopez, que contou com a presença de Ricky Martin, Vanessa Hudgens, Bruno Mars, Demi Lovato e outros. Os artistas se dividiram entre as bancadas, atendendo os telefonemas de doações, e os palcos, se apresentando com músicas e discursos inspiradores. Você pode conferir mais sobre a participação da cantora aqui.

 

Selena também é uma grande aliada da Seacrest Foundation

Fundada pelo apresentador Ryan Seacrest, a instituição Seacrest Foundation traz uma alternativa de entretenimento para crianças hospitalizadas através de pequenos estúdios de rádio e televisão acoplados aos centros pediátricos. Selena é embaixadora desde 2013 e registrou algumas de suas participações em seu Instagram. Veja aqui.

 

Lean In: Atrás de uma mulher de sucesso, existem outras mulheres de sucesso

Selena já participou de diversas ações da organização Lean In para promover a afirmação de mulheres, como através de campanhas exaltando a sonoridade entre as mulheres na indústria. A cantora já usou seu poder de influência em campanhas como a #LeanInTogether, com as mulheres de sua equipe e outras artistas.

Em outra postagem, Selena também ressaltou a importância do papel dos homens na luta pela igualdade de gênero, dando o exemplo de seu avô materno.

 

Coincidência? Selena já entregou um prêmio para uma ativista abolicionista em um evento apresentando por Francia Raisa…. Mas o que tava acontecendo?

Em 2014, Selena foi convidada para entregar um dos prêmios do jantar de gala do Unlikely Heroes, que é gerenciado por Erica Greve, amiga de Francia Raisa, que posteriormente doaria um rim à cantora. A ONG prove apoio residencial, hospitalar e muito mais para crianças que foram escravizadas sexualmente.

Antes de premiar os feitos de Leah Albright-Byrd pelo seu trabalho com a Bridget’s Dream, fundação que luta contra o tráfico sexual de mulheres, a cantora discursou sobre como contribuir com o evento lhe inspirou a fazer mais do que aparecer bem vestida em mais um tapete vermelho. Em sua plataforma, Selena publicou um momento dos bastidores com sua amiga Ashley Cook, convocando seus seguidores para participarem das doações.

 

Mais do que uma hashtag: a manifestação pelo desarmamento

Entre 2013 e 2018, mais de 200 atentados com armas de fogo foram registrados nos Estados Unidos.

Boates, praças, escolas. A situação chegou em um estado crítico em que uma massa populacional foi para as ruas de um país em que 40% dos habitantes tem pelo menos uma arma em casa. Em seu Instagram, Selena divulgou a manifestação pedindo para que as crianças sejam protegidas no lugar dos interessas da indústria bélica. A cantora também publicou fotos de cartazes que encontrou durante a passeata, declarando que não desejava que o assunto fosse apenas mais um post na rede e iria fazer a sua parte para trazer a mudança.

O assunto também foi retratado em 13 Reasons Why, série em que ocupa o cargo de produtora executiva, no desfecho da segunda temporada. Aliás, o evento de estreia da temporada foi cancelado em suas vésperas devido um atentado ocorrido no Texas.

 

Selena está defendendo os direitos de imigrantes latinos

Apesar das polêmicas a respeito do fato de Selena ser latina, a cantora se orgulha muito de suas heranças e defende que sua comunidade possa ter melhores oportunidades, ou no mínimo um tratamento decente, nas fronteiras dos Estados Unidos.

Em 2017, a cantora usou seu perfil para defender o DACA e os Dreamers, programa que retarda a deportação de latinos e seus beneficiários, que estavam sendo ameaçados pelo governo. Além de pedir que a população procurasse seus representantes no Congresso, ela declarou em motivação: “Minha definição de sonhador é alguém que pensa grande e acredita que tudo é possível”.

Em junho de 2019, Selena retomou sua plataforma para se posicionar sobre a forma que crianças têm sido tratadas nas fronteiras do país: “Crianças em gaiolas! Dormindo em chãos de concreto cobertos com alumínio! Sem acesso às mais simples dignidades! Como isso ainda está acontecendo?? É absolutamente desumano tratar qualquer pessoa assim, ainda mais crianças. Eu nem consigo pensar no que eles estão passando. Temos que acabar com isso de uma vez por todas! Não fique em silêncio sobre essas questões de direitos humanos, por favor! #CloseTheCamps #FamiliesBelongTogether”.

Você pode entender as motivações dos grupos de imigrantes latinos aqui.

 

Selena e a causa LGBTQIA+

Selena já apoiou a comunidade LGBTQIA+ diversas vezes em sua carreira. Um dos momentos mais marcantes, foi a canção tributo “Hands” realizada após o atentado em uma casa de eventos em Orlando em 2016, que contou com a participação de outros cantores como Britney SpearsJennifer Lopez, Gwen Stefani e outros. As arrecadações obtidas foram destinadas para as famílias das vítimas e para a organização GLAAD.

Além disso, a cantora também aproveitou que o lançamento do clipe de “Bad Liar” coincidiria com o Mês do Orgulho Gay e dedicou uma sutil história envolvendo um interesse romântico entre as personagens interpretadas pela própria cantora. Ela ainda aproveitou o mês para divulgar, através da Billboard, uma carta aberta ao público:

“Lembro-me de, quando criança, ir ao café da manhã aos domingos com minha mãe e seu grupo de amigos. Não tinha ideia de que todos eles eram gays e nem percebi o que isso significava na época. Tudo o que sabia é que adorava estar rodeada por esses amigos amáveis e amorosos que minha mãe tinha ao seu redor. Definitivamente, devo-lhe os créditos por me criar em um ambiente incrivelmente mente-aberta e sem julgamentos. Ela também me surpreendeu no meu aniversário de 16 anos com uma performance da drag queen mais linda cantando minha música favorita. Eu não acho que a maioria dos jovens de 16 anos de idade pode dizer isso!

     Meu co-escritor Justin Tranter não podia acreditar que eu nunca tinha visto o documentário da Madonna “Truth ou Dare” e, então, enquanto estávamos no México, ele sentou comigo para assistir com ele. Adorei e fiquei especialmente impressionada com o quão inovador foi para o movimento dos direitos dos homossexuais e até que ponto os direitos LGBT apareceram na minha vida. Ainda há uma quantidade significativa de trabalho a fazer e aguardo com expectativa o dia em que uma pessoa não será julgada, discriminada ou temida por sua sexualidade.”

 

Selena mais uma vez dando sua atenção para o futuro das próximas gerações

Hearts Of Los Angeles é uma instituição que fornece programas gratuitos para o desenvolvimento acadêmico, atlético e artístico de crianças carentes. A organização propõe um empoderamento de estudantes, instruindo-os a transformar suas comunidades. Selena registrou uma de suas visitas a um dos polos da ONG com uma foto dela com os alunos.

 

É hora termos equidade no mercado de trabalho: Time’s Up!

Aderindo ao movimento Time’s Up, que segue o nome da própria instituição, Selena divulgou em seu Instagram as ideias defendidas por eles para promover ambientes de trabalho seguros e dignos para todos os tipos de mulheres: “Procuramos igualdade de representação, oportunidades, benefícios e remuneração para todas as mulheres trabalhadoras, sem mencionar maior representação de mulheres de cor, mulheres imigrantes e mulheres lésbicas, bissexuais e transexuais, cujas experiências no mercado de trabalho são muitas vezes significativamente piores do que a de suas parceiras brancas. cisgêneros e héteros.” 

Além disso, Selena também contribuiu financeiramente para a instituição.

 

Selena e a restrição ao aborto

Após 8 estados americanos modificarem sua legislação para restringir o acesso ao aborto, em alguns estados até em caso de estupro, devido pedidos de movimentos conservadores, inúmeras artistas começaram a se manifestar para dar apoio a causa. Selena utilizou sua conta no Instagram para deixar uma mensagem sobre o assunto: “Ver o que está acontecendo agora no Alabama, Geórgia, Mississippi e vários outros estados em nosso país não é apenas profundamente perturbador, mas parece que não pode ser real em 2019. Não é da conta de ninguém o que uma mulher escolhe fazer com seu corpo. Fim da história. “Se você quiser ajudar a lutar contra isso, clique no link na minha bio para descobrir como você pode se voluntariar ou fazer uma doação.” 

Durante sua participação no programa “Live With Ryan & Kelly”, Selena usou o colar ‘1973’ da designer de joias Sophie Ratner que celebra o 45º aniversário da lei de direito ao aborto às mulheres, aprovada pela Suprema Corte dos Estados Unidos em 1973.

 

Rainha do beisebol

Selena também já participou algumas vezes do Big Slick Celebrity Weekend, evento que reúne diversas personalidades da mídia para arrecadação de fundos para o centro oncológico do hospital Children’s Mercy, de Kansas City.

Na última edição em que Selena participou, a de 2019, a cantora entrou em campo para jogar beisebol com Paul Rudd, o intérprete do Homen-Formiga nos cinemas, e visitou alguns pacientes no hospital com Zachary Levi, o intérprete do herói Shazam nos cinemas.

Selena também doou o vestido que utilizou em sua estreia no palco do Coachella para um leilão que destinava os fundos para o evento.

 

Veja outros momentos de Selena em causas sociais:

#PrayForGaza

Children’s Hospiral of Los Angeles

 

O compromisso de Selena com causas sociais para tornar o mundo melhor tem inspirado muitos de seus fãs a fazerem o mesmo. O SGBR, por exemplo, é parceiro do SG Fans For Change, que reúne fãs pelo Brasil para fazer o bem, como visitar orfanatos, hospitais e asilos para trazer a estas pessoas um pouco de alegria no dia.

E você, como pretende utilizar sua plataforma, independentemente do tamanho dela?

Conte conosco para fazer a diferença.

 

Texto e adaptação: Equipe Selena Gomez Brasil

Nome: Selena Gomez Brasil (SGBR)
Desde: 21 de Setembro de 2008
Webmiss: Érika Barros
Co-webmaster: Samuel Rodrigues
Design & programação: Dieux Design & Luana Machado
Entre em contato com nosso site