Postagem por: Julia Brum
22.07.2020

Após Selena Gomez e a Rare Beauty anunciarem o “Rare Impact Fund”, a Forbes fez uma matéria sobre o assunto, explicando o que é e como irá funcionar o ato filantropo. Confira a entrevista traduzida:

Se você é um dos 1 em cada 5 adultos com transtornos relacionados a saúde mental nos Estados Unidos, mesmo em 2020, tendo um diagnóstico ou indo ao tratamento pode parecer isolado, vergonhoso e estigmatizante. A Dra. Jane Delgado, presidente e CEO da Aliança Nacional para a Saúde Hispânica, explica: “A questão do estigma continua enorme. Há um estigma no reconhecimento do problema, um estigma que obriga as pessoas a tentar resolver por si próprio, estigma para procurar ajuda profissional e estigma quando você começar a tomar o medicamento.” Talvez seja por isso que quase 1/3 dos americanos tenha expressado preocupação com os outros julgando-os por receber tratamentos relacionados a saúde mental, e menos da metade das pessoas que têm diagnóstico recebem o tratamento de que precisam. Mas tudo isso pode ser diferente se considerarmos a saúde mental como algo comum, o mesmo que ter qualquer condição de saúde física ou, francamente, normal.

Uma maneira de chegar lá é com a ajuda da auto-divulgação e defesa de pessoas conhecidas e respeitadas por outras pessoas. Quando as celebridades compartilham suas próprias histórias de saúde mental, não é apenas mais uma manchete, ela tem um impacto real e positivo. De repente, os fãs podem se sentir menos sozinhos porque tiveram as mesmas lutas, ou podem se sentir mais seguros em procurar tratamento porque essa pessoa fez. Foi exatamente o que aconteceu quando Selena Gomez contou a Miley Cyrus em seu Instagram show, “Bright Minded‘, sobre seu diagnóstico bipolar em abril. Esta missão se completou hoje, em seu aniversário de 28 anos, quando Gomez anunciou o Rare Impact Fund. Ela arrecadará 100 milhões de dólares nos próximos dez anos para ajudar a solucionar as lacunas nos serviços de saúde mental, particularmente para comunidades carentes. Para atingir esse objetivo, um por cento de todas as vendas dos produtos da Rare Beauty, sua marca de beleza, e os recursos arrecadados de seus parceiros, serão direcionados para o fundo. Quando o fundo atingir 100 milhões de dólares, será um dos maiores fundos conhecidos em apoio à saúde mental de uma entidade corporativa.

Gomez explica que quando ela começou sua empresa, a Rare Beauty, era importante que houvesse uma mensagem por trás disso. Ela achava que, como sociedade, somos regularmente bombardeados com imagens que “fazem as pessoas se sentirem menos ou com a necessidade de alcançar uma perfeição, o que é absolutamente inatingível”. Ela sabia que a saúde mental estaria como lema de sua missão, em parte porque: “Fui aberta sobre as minhas próprias lutas pessoais relacionadas a saúde mental e me senti afetada por me sentir inferior. Após me abrir sobre o assunto, ouvi muitos jovens, ao longo dos anos, lutando também, e isso é algo muito próximo do meu coração.” Em outras palavras, sua história inspirou outras pessoas a compartilhar suas verdades, derrubando barreiras, estigmas e disponibilidades para conversas. Iniciar o fundo é realmente apenas o próximo passo.

Na saúde mental, esse tipo de financiamento é especialmente crítico. A Dra. Christine Moutier, diretora médica da Fundação Americana para Prevenção do Suicídio, explica que o investimento federal em saúde mental é “uma quantia desproporcionalmente minúscula”, mas há evidências claras de que o investimento em alfabetização, pesquisa e programas em saúde mental funciona e leva melhorar a saúde física, os resultados no local de trabalho e os relacionamentos. No entanto, como observa o Dr. Moutier, “ainda não conseguimos nosso investimento federal como nação. Nós chegaremos lá, no entanto, através de esforços de defesa e conscientização, como a organização de Selena está fazendo.”

Fora do estigma, o sistema de saúde mental ainda tem outras barreiras – como custo e acesso. Dr. Scott Rauch, psiquiatra-chefe do Hospital McLean, diz que “a capacidade do sistema de saúde é insuficiente para fornecer serviços psiquiátricos. De crianças a idosos, e em todos os tipos de doenças psiquiátricas, desde depressão e ansiedade, distúrbios psicóticos, distúrbios de uso de substâncias e condições relacionadas a trauma, precisamos aumentar esses serviços. ” Essas necessidades são amplificadas apenas em populações carentes. A Dra. Delgado destaca que a clínica de língua espanhola da UCLA luta para atender à demanda há 40 anos, e um programa da cidade de Nova York chamado Life is Precious, que trabalha com garotas hispânicas, que ela nota ter as maiores taxas de tentativas de suicídio, perdeu seu financiamento devido à demanda do Covid-19. Ela acrescenta: “Claro que há estigma, mas mesmo quando as pessoas querem ajuda, há muito poucas opções”.

Nesse ponto, Gomez diz: “O simples fato de existirem comunidades ‘mal atendidas’ é um problema. Existem pessoas que não têm acesso adequado à Internet para começar a encontrar ajuda, muito menos poder pagar recursos ou o preço de quaisquer medicamentos que possam ser necessários. Todos devem ter acesso a recursos adequados de saúde mental, bem como a cuidados médicos em geral.”

O fundo Rare Impact visa adicionalmente “combater a epidemia de solidão crônica”, que só se tornou maior durante o Covid-19. Gomez explica: “Acredito que através desse distanciamento social e pandêmico, todos aprendemos a importância do contato real e da conexão humana. Todos somos culpados de gastar muito tempo em nossos telefones, seguindo a vida de outras pessoas – metade do tempo são pessoas que nem conhecemos e achamos que a vida delas é perfeita e que estamos perdendo alguma coisa. Eu acho que leva as pessoas a se sentirem sozinhas.” Talvez, mesmo quando pareçam muito conectados, seja por isso que os jovens de 18 a 22 anos sejam a “geração mais solitária”. O Dr. Rauch diz que os desafios da pandemia foram amplificados apenas pelas muitas interrupções em nossos “relacionamentos e rotinas e pelas maneiras pelas quais nos separamos de nossos colegas, amigos e familiares”. Ele sente que, quando nos deparamos com perda, trauma, estresse ou sofrimento, os sistemas de apoio são críticos. Moutier ressalta: “Nós, humanos, prosperamos melhor quando nos sentimos conectados aos outros”.

Uma das maneiras pelas quais a Rare Beauty já está trabalhando nisso, é a realização semanal de “Rare Chats” via Zoom para pessoas da “comunidade Rare” se conhecerem melhor. Gomez os descreve como “um espaço muito íntimo e seguro, onde as pessoas podem ser vulneráveis ​​e sabem que há outras pessoas por aí se sentindo da mesma maneira ou apenas fazendo com que as pessoas tenham alguém para coloca-las para cima”. Ela os chama de “incríveis e inspiradores”. Essas idéias de conexão só aumentarão com a ajuda do fundo, que espera criar mais ferramentas, recursos e suporte mútuo – online e offline. O que o fundo será guiado, em parte, pelo “Conselho de Saúde Mental da Rare Beauty”. O Dr. Rauch e o Dr. Delgado são membros, juntamente com o Dr. Marc Brackett, que é o diretor fundador do “Centro de Inteligência Emocional de Yale” e professor do “Centro de Estudos da Criança da Escola de Medicina de Yale”, além de outros consultores especializados das principais universidades, organizações e empresas focadas em saúde mental, a serem anunciadas posteriormente.

Por fim, não há momento melhor do que o presente para iluminar a conversa sobre saúde mental, especialmente porque o Covid-19 colocou em foco o quão comuns são as lutas relacionadas ao assunto. Gomez acredita que “trouxe à tona quantas pessoas estão lutando com depressão, ansiedade e outras condições de saúde mental – e, ao mesmo tempo, expôs quantas não têm acesso a recursos adequados ou não sabem por onde começar.” Dr. Moutier explica: “O Covid-19 definitivamente foi outro momento decisivo para o diálogo sobre saúde mental, onde todas as pessoas estão envolvidas no tópico estresse, incerteza e medos em muitos níveis. E as pessoas com experiência vivida de lutas em saúde mental estão falando sobre como elas realmente se sentem mais vistas e compreendidas do que nunca, então esse é um aspecto positivo ”.

Um pensamento positivo que tem a esperança de continuar muito depois da pandemia, por causa de pessoas como Selena Gomez. Ela falando sobre sua própria saúde mental, tirando a conversa da escuridão e agora, investindo nela, salvará vidas.

Ela diz: “Adoro a palavra” raro “e quero que todos encontrem o poder no que os torna raros. Todos nós precisamos abraçar nossa singularidade, parar de nos comparar com os outros e nos amar mais. ”

É justo que a senhorita Gomez goste tanto da palavra, porque seus cuidados com a saúde mental e o desejo de mudança é exatamente isso: Raro.

Fonte: Forbes

Tradução e adaptação: Selena Gomez Brasil

Categorias: Filantropia; Rare; Rare Beauty; SG2
Postagem por: Julia Brum
22.07.2020

Há exatamente 28 anos, nascia em Grand Prairie, a cantora, atriz, ativista, empresária e produtora, Selena Marie Gomez. Talentosa desde de pequena, Selena iniciou sua carreira em 2000, com o programa “Barney e Seus Amigos”. Desde de então, a estrela já atuou em mais de 40 projetos audiovisuais, lançou 6 álbuns, fechou parcerias com diversas marcas influentes e acumula vários singles multi platinados, sendo uma das pessoas mais influentes de sua geração.

Que Selena tem uma carreira de sucesso, não é segredo para ninguém. Mas não foi só por números que a artista alcançou uma legião de fãs, batizados carinhosamente por ela como Selenators. Dona de um coração enorme, Selena trabalha com projetos filantrópicos desde dos primórdios de sua carreira, sendo uma das pessoas mais jovens da história a se tornar embaixadora da UNICEF. A ativista também é uma das maiores porta-vozes no tratamento do Lúpus e recentemente abriu seu Instagram para que pessoas da comunidade preta pudessem educar seus seguidores em assuntos relacionados a racismo, saúde mental e empoderamento negro.

Como seu mais recente álbum diz, Selena é uma pessoa extremamente rara. Totalmente HUMANA, Selena esbanja gentileza e carisma em todos atos de sua vida, mesmo nas mais difíceis batalhas e dificuldades que diariamente enfrenta. Uma grande inspiração, a multitalentosa demonstra uma força inigualável, além de um enorme carinho pelas pessoas que a admiram, sempre empoderando seus fãs com canções sobre superação, auto-estima, relacionamentos e se encontrar após se perder.

Neste dia, o Selena Gomez Brasil só tem a agradecer pela dádiva de termos Selena completando mais um ano, mesmo após todos os problemas emocionais e de saúde que a cantora enfrentou em um passado recente. Esperamos que neste novo ano, a estrela atinja novas gratificações em sua carreira, ultrapasse seus objetivos pessoais e continue transmitindo o amor e felicidade que sempre esteve presente em si.

Em comemoração a esta data tão especial, o SGBR preparou um projeto com selenators de diversos países. Transitando entre canções do “Rare“, o vídeo conta a história de superação que Selena contou em seu mais recente disco, inciando com a música “She“, onde a cantora reconhece que todas as dores que passou e que está cercada de pessoas que a colocam para baixo. O vídeo segue com “Rare“, onde Selena reconhece o quão rara e única ela é. Em “People You Know” e “Cut You Off“, a estrela percebe que nem todas as pessoas permanecerão ao seu lado e que é necessário retirar pessoas tóxicas de sua vida. “Dance Again” demonstra Selena deixando todos seus erros para trás, finalmente conseguindo ‘dançar de novo’. “Vulnerable” destaca que seus ‘defeitos’ a completam enquanto “Lose You To Love Me” mostra a força do amor próprio. A homenagem termina com “Look At Her Now“, refletindo a superação de Selena, sendo o melhor de si mesma. Confira:

Texto: Equipe Selena Gomez Brasil

Postagem por: Julia Brum
09.06.2020

Nesta terça, dia 09/6, a renomada revista Billboard publicou uma matéria sobre os 50 melhores álbuns de 2020, citando o recente álbum de Selena Gomez, “Rare‘, na lista. Confira o que a revista teve a dizer:

“Nos últimos anos, Selena Gomez vem provando sua proeza não só como uma famosa força do pop, mas como uma artista que disposta a correr riscos novos e únicos desafios na produção [das canções] e nas composições (Como em “Bad Liar” e “Fetish”). Da mesma forma, não há um som comum no terceiro álbum solo de Gomez, que é tão drástico quanto dançante – e que deu a cantora o seu primeiro lugar na Hot 100 com “Lose You To Love Me”, um hino devastador sobre encontrar amor próprio no meio de um término. De fato, Rare pode ser resumido nas palavras do segundo single gaguejante (que pode ser apenas um dos maiores hits do século): “Uau, olhe para ela agora.” – G.G.

“Rare”, terceiro álbum solo de Selena Gomez, está disponível em todas as plataformas digitais.

Fonte: Billboard

Tradução e Adaptação: Selena Gomez Brasil

Postagem por: Julia Brum
20.05.2020

No inicio desta tarde, dia 20/5, Selena Gomez concedeu uma entrevista ao “Beats by Dre’s Beat x Beat: Inside Out“, que foi disponibilizada em seu canal no YouTube. Acompanhada de seus colaboradores, Julia Michaels, Justin Tranter e seus produtores, The Roommates, a cantora falou sobre o seu mais recente single “Boyfriend” e seu processo de composição e gravação. Confira a entrevista traduzida abaixo:

Selena, Justin, Julia e The Roommates dizem ‘oi’ um para o outro e Selena diz que estava sentindo muito a falta de todos.

Selena: Não houve nenhum tipo de inspiração ou algo parecido, foi algo como “vamos apenas nos divertir”. Julia me mandou uma mensagem e disse “como você está se sentindo hoje?” e eu estava como “eu não sei, eu quero um namorado”. Eu só disse aquilo pois acho que estou em um momento onde eu estou animada para o futuro. Eu não sei, eu estou aberta para isso [namorar].

Justin: Aquela faísca principal de inspiração veio e esta faísca foi a mensagem de Selena para Julia, então tudo começou a fluir.

Selena: Nós queríamos que fosse algo bastante simples mas também que tivesse esse ritmo fluído que faz com que você balance a cabeça no ritmo da música.

Justin: Definitivamente a conversa projetou o refrão e fez tudo ficar simples, descolado e sexy.

Julia: The Roommates [Produtores] tocou essa faixa que tinha esse baixo descolado.

The Roommates: Esta é a introdução [Batida de ‘Boyfriend’ tocando]. E todos estavam como “Oh, é esta a batida” e a Julia simplesmente começou a compor o refrão.

Julia: Eu apenas fui falando “I want a boyfriend but i just keep hitting dead ends, try to take a shortcut, but I get cut” e o Justin disse “Again and again”.

The Roommates: A composição, a ideia, a história por trás e o conceito fluiu tudo junto e a galera da produção trabalhou na canção por algumas semanas. São várias pequenas coisas tocando juntas que fazem um som coeso. Eu vou tocar a canção do refrão e construir para que vocês consigam entender;

A canção é tocada parte por parte, começando pelos vocais de Selena, depois a batida, depois o baixo, seguido das palmas, vocais secundários, respirações de Selena.

Justin: [Ao lado de sua mãe durante a quarentena, o compositor pede para sua mãe dizer ‘oi’ e diz que estão fazendo uma caminhada com seu cachorro] Eu estava muito compromissado de ter certeza de que todos iriam entender que há uma diferença entre querer e precisar, pois eu acho que ninguém precisa de um namorado.

Selena: Sim, eu gosto de acrescentar que eu não preciso de alguém na minha vida.

Julia: Tem esse balanço interessante de precisar e querer algo, e é por isso acrescentamos o pré-refrão “There’s a difference between a want and a need. some nights I just want more than me”.

Selena: Literalmente uma semana antes da quarentena, a gente gravou o videoclipe então estávamos pronto para lançar a canção. Sabe, eu tive dúvidas por causa do clima em que todos estão no momento mas eu acho que trouxe alegria para muitas pessoas e também é divertido. É uma música que faz as pessoas se sentirem felizes, divertidos e sexys,

The Roommates: A gente precisava disso agora. E esta canção, não queríamos que fosse algo sério, queríamos diversão então viramos para a Selena e perguntamos: ‘A canção já está pronta mas você pode dar uma risada?’ [Para colocar na canção]

O vídeo termina com todos rindo, se despedindo e dizendo que amam um ao outro.

Lançada na edição deluxe do “Rare”, o single “Boyfriend” está disponível em todas as plataformas digitais.

Tradução e Adaptação: Selena Gomez Brasil

Postagem por: Julia Brum
13.04.2020

Durante a divulgação da edição deluxe do “Rare“, Selena Gomez concedeu uma entrevista a Apple Music, onde falou sobre “Boyfriend” e o processo de composição do novo single da cantora. Confira a matéria completa traduzida:

Selena Gomez ligou para Apple Music nesta sexta, 10 de abril, ao lado de Julia Michaels e Justin Tranter, para conversar sobre o processo de composição de seu novo single “Boyfriend”.

Tranter, que colaborou com a pop star desde da época dos singles da era “Revival” , como as canções “Good For You” e “Hands To Myself”, se refere ao refrão da nova canção como o seu favorito: “O refrão foi desenvolvido super rápido. Os versos tiveram que ser remexidos durante a composição mas o refrão foi como ‘é isto. está pronto; Talvez o meu refrão favorito que eu já tenha participado. Foi como SIM! É isto!”. A fala do compositor sobre o refrão foi acompanhado das risadas de Michaels e as afirmações de Gomez concordando que este “Foi um momento incrível”. Michaels revelou que a ideia da música veio após uma mensagem de texto de Gomez para seus parceiros: “Literalmente aconteceu por causa de uma mensagem de texto”, contou Michaels para Zane Lowe.

“Eu me lembro sobre essa mensagem de texto especifica, pois novamente, quando eu tenho algum pensamento relacionado a composição, é algo como “Você sabe? Hoje eu apenas não sei o que eu estou sentindo exatamente, então talvez não saia nenhuma música disso”, acrescentou Gomez. “Mas eu mandei mensagem para ela e disse, ‘Bom, eu sinto como se eu tivesse falado sobre tudo no álbum. Eu estava como se eu não soubesse como prosseguir. A vida está ótima. Eu quero um namorado, e é só isso’. E ela me respondeu como ‘HAHAHA, Seja o que for, será.’ Então eu fui ao estúdio e este foi literalmente o título da música.”

“A mensagem de texto dizia ‘Eu quero’, não ‘Eu preciso’, disse Tranter. “São palavras muito importantes. E então nós fizemos questão de deixar bem claro que ninguém precisa da p*rra de um namorado. Você pode querer um, mas não precisa de um.”

Fonte: Billboard

Tradução e Adaptação: Selena Gomez Brasil

Postagem por: Julia Brum
13.04.2020

Ao fim do primeiro trimestre de 2020, alguns sites já estão fazendo as suas típicas listas de melhores do ano. E, obviamente, o aclamado “Rare” foi citado em algumas delas. Confira abaixo a aclamação relacionada ao terceiro álbum de estúdio de Selena Gomez:

Tampa Bay Times

O representante da cidade de Tampa, Flórida, do conjunto de jornais “Times”, elegeu a canção “Rare” como uma das 25 melhores músicas lançadas neste ano. O jornal escolheu prevalecer a “sensibilidade” da canção escrita por um time talentoso de compositores como Selena Gomez, Madison Love e Leland.

Idolator

Mesmo sem ter sido trabalhada como single, a Idolator elegeu a favorita dos fãs, Vulnerable, como a terceira melhor canção de 2020: “Três meses se passaram e eu ainda ouço o “Rare” de Selena Gomez sem parar. Muitas canções mereciam um lugar nesta lista (“People You Know”, “Ring” e “A Sweeter Place” para quem ainda não ouviu), mas “Vulnerable” é a joia principal desta excelente obra.”

Elle Magazine

A aclamada revista Elle Magazine fez uma lista das 17 melhores canções do ano até agora, acrescentando “Cut You Off” na décima quarta posição: “Uma mente bêbada fala sobre seus pensamentos sóbrios, certo? Se escondendo atrás de alguns drinks, Selena Gomez dá um beijo final para um antigo amante depois de finalmente perceber que o amor que ela achou que algum dia eles compartilhavam, não era realmente amor”.

Texto e tradução: Selena Gomez Brasil

Categorias: Rare; SG2
Nome: Selena Gomez Brasil (SGBR)
Desde: 21 de Setembro de 2008
Webmiss: Érika Barros
Co-webmaster: Samuel Rodrigues
Design & programação: Dieux Design & Luana Machado
Entre em contato com nosso site