Postagem por:
Eduarda Altmann
04 abr.2022

Em novembro de 2021, Selena Gomez anunciou seu novo projeto: a Wondermind. Ao lado de sua mãe Mandy Teefey e de Daniella Pierson, empresária e fundadora da newsletter The Newsette, Selena contou à revista Entrepeneur detalhes sobre a plataforma. Você pode conferir a entrevista na íntegra AQUI.

Mas, o que de fato é a Wondermind? 

Feita com intuito de disseminar o debate sobre saúde mental e bem estar, a plataforma proporcionará podcasts com psiquiatras, atletas, celebridades, empresários e líderes do mundo dos negócios, um boletim informativo (newsletter) semanal com dicas e exercícios mentais, produtos tangíveis para a compra (como objetos que podem ajudar a prática de exercitar a mente) e, futuramente, as co-fundadoras pretendem que essa plataforma transforme-se em uma marca para produzir conteúdo para TV e cinema. 

Clique AQUI para se inscrever, gratuitamente, no newsletter oficial da Wondermind.

Dito isso, na última segunda-feira (04/04), Selena, Mandy e Daniella concederam uma entrevista ao programa norte-americano Good Morning America e aproveitaram para lançar oficialmente a primeira edição do boletim informativo da Wondermind. O Selena Gomez Brasil decidiu disponibilizar em português para vocês, deslizem para baixo e confiram na íntegra: 

Entrevista ao programa norte-americano Good Morning America (04/04).

UMA NOTA DAS NOSSAS FUNDADORAS:

Todos nós lutamos com nossa saúde mental, sentimentos desagradáveis e todas as emoções que você pode imaginar. Houve muitas vezes em que nos sentimos completamente sozinhas e perdidas, desejando que houvesse um lugar projetado para navegar por todos os sentimentos, desestigmatizar a busca de ajuda e democratizar as informações dos principais especialistas do mundo que são tão inacessíveis para a maioria das pessoas. 
 
Bem-vindo ao primeiro lançamento da Wondermind: um boletim informativo dedicado a praticar condicionamento mental, navegar em suas emoções, ouvir especialistas e dedicar tempo para cuidar de sua mente de maneiras pequenas e factíveis que levam a grandes mudanças. Muito mais está por vir, incluindo uma rede de podcast, shows e filmes e até ferramentas tangíveis. Obrigado por se juntar a nós. 
 
Com amor, 
Selena, Daniella e Mandy. 

POR QUE SELENA ESTÁ FALANDO SOBRE SUA SAÚDE MENTAL: uma entrevista com Daniella Pierson.

DP: Você esteve em tantas capas, mas essa é diferente. O que você quer que as pessoas saibam sobre o que essa capa digital mensal representa? E o que você quer dizer para as pessoas em nossas próximas capas? 
 
SG: Apenas… obrigada! Acho muito corajoso falar sobre sua própria jornada. Ao mesmo tempo em que pode parecer debilitante, pode parecer empoderador quando você encontra o espaço certo para compartilhar sua história. Quem está nessa jornada com você sente que é muito difícil de navegar nisso também. Uma coisa é certa, eu sou grata por qualquer um que esteja disposto a compartilhar sua história, ser corajoso e tirar alguns momentos do seu dia para fazer o de outra pessoa. Espero que isso faça com que as pessoas saibam que não há problema em sentir todas as emoções que elas sentem. 
 
DP: É realmente impactante quando as pessoas falam sobre tópicos que geralmente os outros pensam que são os únicos a sofrer. Você estava com medo de ser aberto sobre sua saúde mental? 
 
SG: Não, uma vez que a primeira foto saiu de mim indo buscar ajuda eu me senti tão violada. De certa forma, fui forçada a compartilhar, porque não suportava a ideia e o fato de que as pessoas pudessem contar uma história com base em uma foto ou algo que vissem. Eles podem simplesmente inventar a história e, no final das contas, não é a verdade e não é a minha versão, não está vindo de mim. Talvez eu não estivesse propositalmente aberta a falar. Acho que aconteceu e a liberdade que senti e o controle que pensei ter sobre minha narrativa valeram tudo para mim. Então talvez ser tão aberta não fosse minha intenção no começo, mas agora eu não poderia estar mais grata. 

DP: Como é sua relação atual com sua saúde mental agora? 
 
SG: Eu acho que é importante tirar alguns momentos e analisá-los. Eu sei que as pessoas podem pensar demais às vezes e eu sou uma dessas pessoas – levantando minha mão – porque eu penso demais em situações. Mas às vezes dar um passo para trás e apenas olhar de longe e pensar “Ok, de uma vez por todas: onde estou? Eu sou feliz? Estou genuinamente bem quando as pessoas me perguntam?” Isso é algo que eu tento fazer com frequência. Quando surgem momentos, ou há gatilhos que surgem, sinto-me mais confortável para agir e fazer as coisas que são necessárias para me sentir segura, para me sentir ouvida e me sentir amada, não importa em que estado esteja. Acho que isso leva muito tempo e não estou nem perto da perfeição, mas estou muito feliz. Só é importante continuar verificando. 
 
DP: É totalmente importante. O que você diria para alguém que está preocupado com o estigma em torno de tomar medicamentos para saúde mental? 
 
SG: Eu só posso falar da minha experiência, e o que aconteceu na minha jornada é que eu tive um desequilíbrio químico. Eu acredito na ciência, e a medicina mudou minha vida. Mas todos precisam fazer o que é certo para eles e, claro, falar com um profissional licenciado. 
 
DP: Wondermind está usando este termo “aptidão mental” para descrever o trabalho em sua saúde mental regularmente – da mesma forma que você pode trabalhar em sua saúde física. O que você faz atualmente quando se sente para baixo? 
 
SG: Há momentos em que me senti esgotada, como “Oh meu Deus, sinto que preciso de ajuda”. Mas a verdade é que não posso sentar e sentir pena de mim mesma. É muito difícil sair da sua própria cabeça, e eu faço coisas para trabalhar nisso todos os dias. Mesmo que seja lendo uma passagem de um livro que eu amo, ou poesia. É tão bobo, mas realmente me ajuda a reformular minha mentalidade. Pode ser tão simples quanto malhar de manhã ou querer começar o dia com café e 30 minutos para mim. 
 
DP: Sua agenda está lotada e você está constantemente cercada de pessoas. Você é introvertida ou extrovertida? 
 
SG: Eu definitivamente diria que sou uma extrovertida com tendências introvertidas. O que quero dizer com isso é que eu prospero com as pessoas, eu amo pessoas, em todas as esferas da vida. Sinto que a vida é conexão. Amor é conexão, não importa o que pareça. Sempre que estou no set e estou cercado por 60 ou mais pessoas – cada uma delas você tem pelo menos um encontro, e eu estou tão feliz por estar lá. Mas há dias em que eu meio que saio e fico sobrecarregada. Às vezes eu quero ligar para alguém, mas outras vezes preciso recarregar sozinha. Eu precisaria tirar uma soneca muito longa ou tomar um banho rápido e apenas acender uma vela no quarto só porque é bonito, não por qualquer outro motivo além disso. Apenas tornando minha iluminação confortável, tendo um ambiente quente e colocando algo familiar como uma música. Ou escrevendo, tenho meu diário bem ao meu lado. Eu faço o que é necessário para mim. 
 
DP: Quando você está se sentindo extrovertida e precisa se recarregar com outras pessoas, para quem você liga nesses momentos? 
 
SG: Depende, na verdade. Eu sinto emoções fortes em relação a diferentes capítulos da minha vida e se algo é trazido à tona que eu preciso desabafar ou eu apenas tenho perguntas em minha mente, eu geralmente procuro alguém que talvez estivesse naquele momento comigo. Então, esses poderiam ser meus melhores amigos. Tenho sorte de até ter um, mas tenho três que realmente confio com a minha vida, e eu os chamaria. Às vezes eu só quero ouvir a voz de alguém que eu amo, então eu ligo para minha mãe ou tento minha irmã, mesmo que ela seja tão difícil de entrar em contato com uma criança de 8 anos – ela é mais legal do que eu. Eu só quero ouvir a voz da minha avó ou meu avô e às vezes isso é tudo que eu preciso. Há momentos em que não sei para quem ligar, e acho que esses momentos também são assustadores, mas também importantes. Nem sempre escrevo, mas meio que falo em voz alta. Eu genuinamente falo com meus cães. Eu totalmente tenho conversas, eu fico tipo “Por que estou fazendo isso?” ou “De onde vem isso?” Eles realmente não dizem nada, mas parecem muito fofos. 
 
DP: Você acha que eles ajudaram sua saúde mental? 
 
SG: Eu acredito totalmente que os animais podem curar. Fiz terapia assistida por equinos e foi fantástico. Foi fascinante poder trabalhar com um cavalo. Existem técnicas para desarmar um animal tão majestoso e enraizado no chão. Parece tão real, e eles podem sentir sua emoção. Se você está se sentindo realmente ansioso, eles podem sentir isso. É uma prática dentro de si mesmo respirar fundo e colocar sua mente em algum lugar e trabalhar nesses pequenos exercícios e ver se você consegue realizá-los. É estranho, mas funciona! 
 
DP: Como é saber que tantas pessoas estão de olho em você e que você está sob um microscópio? Você ainda pensa sobre isso? 
 
SG: Não, eu não penso. Acho que já se passaram quatro anos, ou três anos, desde que saí da internet. A menos que alguém me envie um artigo, não sobre mim, mas como um artigo geral sobre alguma coisa. Eu tento me manter atualizada sobre as coisas que são importantes, mas eu realmente não me conecto mais dessa maneira. Quando minha vida era governada por isso, era cansativo e triste. Eu estava triste o tempo todo, se as pessoas estavam torcendo por mim ou não. Eu não acho que eu estava vivendo para mim mesmo. Quando tirei aquela coisinha, ficou tudo bem. Você pode usar a internet para todas as coisas incríveis: escrever e ir ao Etsy e assistir coisas realmente criativas e divertidas, como TED Talks – é uma coisa linda. Eu só acho que minha relação com a internet não existe, e eu não poderia estar mais feliz em tomar essa decisão por mim mesma. 
 
DP: Você nunca sentiu vontade de entrar na internet? 
 
SG: Nunca fiquei com vontade, não. Só porque eu sei que nos anos mais vulneráveis da minha vida, eu sempre estive nisso, e era tão confuso. Foi incrivelmente estressante. Então, já que estou feliz vivendo no headspace em que estou agora, não colocaria em risco de forma alguma, ou teria qualquer desejo de ver coisas, mesmo que sejam grandes coisas. Sou muito grato pela posição que me foi dada e não poderia estar aqui ou ficar aqui se não fosse pelas pessoas em minha jornada. Eu os chamo de meus pequeninos. São pessoas com quem cresci e é mais do que uma fanbase. É uma comunidade. É um lugar que até eu me sinto segura. Confio nas pessoas que estão lá, torcendo por mim. 
 
DP: Quando você está se sentindo para baixo, você escreve em seu diário? Você escreve músicas? 
 
SG: Minha mente tem que estar em outra coisa. Parece estúpido e muitas pessoas chamariam isso de distração e não um lugar saudável para recorrer, mas eu sempre ligo a TV. Pode ser um documentário, ou realmente qualquer coisa. Lembro-me de assistir a esses programas sobre vícios e me lembro de sentir que precisava escapar. Não sei o porquê, mas tem alguma coisa, posso ver aquela pessoa sofrendo e não sou a única. Isso me faz querer fazer mais pelas pessoas. 
 
DP: Faz você se sentir menos sozinho. 
 
SG: Mil por cento. Todo mundo, eu acredito, precisa de alguém. Então isso me ajuda a sair da minha mente, mas eu preciso sair da minha cama. Vou tentar subir no sofá, e se adormecer vou me deixar dormir, e vou me deixar dormir mesmo durante o dia. Eu costumava me trancar no meu quarto, e estava tão escuro o tempo todo. Eu comia lá, fazia tudo lá. Às vezes ainda faço isso por diversão, mas é diferente quando estou em uma mentalidade da qual preciso sair. Não vou ficar na minha cama, ou vou ligar a TV, ou vou escrever, ligar para alguém ou escrever uma música. Eu estava fazendo isso antes de começarmos. Eu posso fazer essas coisas, mas posso simpatizar com pessoas que não sabem o que fazer quando se sentem presas, congeladas, porque eu senti isso, e ainda tenho dias em que me sinto assim. 
 
DP: O que mais te anima no Wondermind? 
 
SG: Uma das pessoas que eu admirei toda a minha vida é a princesa Diana e, isso parece bobo, mas o que sairia dela era tão honesto e real, e isso é tudo que eu quero que seja. Um lugar real, honesto, seguro e confortável – algo a que as pessoas possam recorrer. Espero que as pessoas sintam o que eu sinto quando penso no que estamos fazendo e quando penso em outras pessoas e falo com pessoas do nosso comitê de especialistas e pessoas que têm o mesmo objetivo e visão que nós. Para alguém dizer “Ah, sou eu”. Essa é uma das melhores sensações. Honestamente, acredito que é por isso que muitas pessoas vão às reuniões de AA ou NA, como eu. Eu faço, porque acho inspirador e comovente. Acho empoderador quando posso falar ou apenas ouvir outras pessoas contarem suas histórias. Não é um lugar assustador. O que estamos construindo é tão empolgante, e estou muito agradecida. Estou nervosa… e animada. 

AQUECIMENTO DE SEGUNDA-FEIRA: 

Tente isto: faça sua cama, ou pelo menos apenas puxe as cobertas. Há algo em seus lençóis indo em uma direção que apenas faz você sentir que tem sua vida toda organizada – mesmo que seus pratos sujos estejam “encharcados” por mais de 24 horas. 
 
Pense nisso: pelo que você quer ser lembrado? Se você pudesse deixar um legado (como o tipo que está escrito em livros de história ou transformado em documentários da Netflix), como você gostaria que fosse? 
 
Lembre-se disso: você tem boas ideias e coisas importantes a dizer. 

Eu quero sair com as pessoas de novo, mas basicamente esqueci como.

Você não é o único que está se sentindo solitário, mas ansioso demais para fazer algo a respeito – especialmente se a última vez que você teve uma vida social foi em março de 2020. É algo que os terapeutas estão ouvindo muito, diz a psicóloga clínica Miriam Kirmayer, PhD , que passou mais de uma década estudando conexão social. Estamos ansiando por proximidade, mas a ideia de realmente se reconectar com as pessoas e fazer coisas pode parecer muito estressante. 

Uma razão para isso (entre muitas) é que estivemos em um estado forçado de cancelamento de planos nos últimos dois anos, o que na verdade é um ótimo exemplo de evasão, explica a Dr. Kirmayer. No curto prazo, evitar é incrível (ah, sim, posso ficar em casa com meu cachorro esta noite). Mas com o tempo, evitar demais apenas reforça sua ansiedade sobre o que você está evitando – que, neste caso, é interagir com as pessoas como costumávamos fazer. Além disso, há muito o que se preocupar – como como todos ainda estamos navegando na pandemia, para começar. E o pensamento de ver pessoas (e ser visto por pessoas) depois de tanto tempo pode nos fazer questionar e duvidar de nós mesmos. Está dando níveis de pressão de reunião de colegial e você está apenas… encontrando amigos no parque. 
 
Ao voltar, vá devagar e não se pressione para estar onde todo mundo está (literalmente e emocionalmente) imediatamente. Se puder, gradualmente saia da sua zona de conforto, em vez de começar com um casamento ou um grande passeio de empresa. E, na dúvida, saiba que você sempre pode dizer não. Ou talvez apenas: “Sim, mas vai ser estranho” (e tudo bem!) 

Comments

comments

Siga o Twitter do site para receber
novidades sobre Selena em tempo real
Na nossa página do Facebook, você também
não perde novidades sobre Selena. Curta!
Siga-nos no Instagram para fotos, vídeos e
entretenimento sobre Selena e o site
Web status
Criação e desenvolvimento por LIVZZLE e Lannie.D
© 2020 - Selena Gomez Brasil