Postagem por:
Eduarda Altmann
05 maio.2022

Nesta quinta-feira (05/05), a revista norte-americana Vanity Fair publicou uma matéria que conta exclusivamente alguns detalhes sobre a segunda temporada de “Only Murders In The Building”, a dramédia estrelada por Selena Gomez, Steve Martin e Martin Short, que tem data de estreia marcada para o dia 28 de junho. Decidimos traduzir e postar, na íntegra, todo o conteúdo exclusivo. Confira:

Há tantas conversas na segunda temporada de Only Murders in the Building sobre as armadilhas de fazer uma segunda temporada que alguém pode se perguntar, por um momento, se o show está nos preparando para a decepção. Afinal, a vida imita a arte na comédia de sucesso do Hulu, e quando Charles (Steve Martin), Mabel (Selena Gomez) e Oliver (Martin Short) embarcam em uma nova aventura perigosamente engraçada – e, por sua vez, no podcast complementar – eles consideram as pressões de viver de acordo com o hype. “Foi um pequeno truque”, disse o showrunner e co-criador John Hoffman à Vanity Fair, em sua primeira entrevista sobre a nova temporada. “Encontrei um grande conforto na sala dos roteiristas de que qualquer coisa que surgisse sobre nossos desafios da segunda temporada poderia entrar na narrativa.”

De fato, tantos toques criativos refletem apenas a confiança de uma série que se expande em uma corrida de calouros extremamente bem-sucedida. Seguindo três estranhos que se unem para investigar uma morte em seu prédio no Upper West Side – e fazer um podcast sobre isso – Only Murders ofereceu ficção policial inteligente que também se tornou uma comédia mordaz. A segunda temporada, que estreia em 28 de junho, habilmente distorce sua estrutura de mistério em nossos personagens principais: após a solução do assassinato do vizinho Tim Kono, o trio de detetives de poltrona do Arconia absorve glória e fama – até que a presidente do conselho da Arconia, Bunny (Jayne Houdyshell) é encontrada morta, ensanguentada enquanto usava um moletom do podcast Only Murders, no apartamento de Mabel. Os principais suspeitos são hilariamente óbvios. “Você tenta se exonerar ou se aproveita desse estranho momento famoso em Nova Iorque que acontece, onde você está nas primeiras páginas?” Hoffman fala sobre a tensão primária da nova temporada. “Foi uma grande vantagem para escrever, o vai-e-vem do conflito que permite, ‘Cuidado com o que você deseja’.”

Se colocar Mabel, Charles e Oliver na berlinda marca uma narrativa de partida para Only Murders, a ação em torno deles na segunda temporada representa uma espécie de aprofundamento: mais celebridades convidadas, mais confrontos entre o clássico e o moderno, mais insights sobre o pré-guerra de apartamentos onde a série se passa, mais ganchos e reviravoltas. “Aquela sensação de ser abraçado [na primeira temporada] deu grande flutuabilidade às ideias e confiança de que o público iria conosco”, diz Hoffman. “Isso só nos deixou mais confiantes em nossa abordagem na segunda temporada.”

Considere os relacionamentos centrais de Only Murders: assim como Mabel, Charles e Oliver estavam se conhecendo, os atores conhecidos que os interpretavam também estavam aprimorando sua dinâmica, encontrando humor em sua divisão geracional e uma espécie de afeto farpado. Essas qualidades agora estão incorporadas, permitindo espaço para explorar novos ângulos. Mabel conhece um interesse amoroso na Alice de Cara Delevingne, uma dona de uma galeria de arte de sua própria geração que coloca Mabel em contato com um lado de si mesma que ela tem negligenciado desde o início do show. Gomez e Delevingne são amigas de longa data, trazendo uma intimidade rápida e sexy ao relacionamento na tela. “Foi incrível que as duas se conhecessem e se sentissem confortáveis”, diz Hoffman. “É um pouco brilhante de todas as maneiras certas que faz você se sentir como ‘oh, alguém está abrindo o mundo de alguém’”. Confrontos inevitáveis ​​com Oliver e Charles aumentam a intensidade: em um episódio, Mabel dá uma festa que os dois vão e, bem, “é um pouco difícil”, brinca Hoffman.

O mundo de Only Murders também se abre ao redor deles. A morte de Bunny desvenda novos segredos do Arconia, tanto em seu design literal quanto em sua fascinante história, que se conecta à infância de Charles. Hoffman diz que esse desenvolvimento reflete o interesse central de seus escritores em “essa compreensão sobre o lugar, o tempo e a história, e como as vidas são vividas em lugares como esse – de maneira comunitária, em um prédio de apartamentos – com segredos e grandes mistérios que os influenciam.” O pai de Charles entra na história em flashbacks – sem spoilers sobre sua conexão exata com o prédio – o que adiciona uma camada extra de mistério ao enredo. O show expande sua missão ao longo da série para, diz Hoffman, “conhecer a história de cada uma dessas pessoas com o prédio… os segredos que estão se revelando”. Ele acrescenta: “Existem as incógnitas que o pegam desprevenido emocionalmente”.

No segundo episódio desta temporada, Martin Short grita com Shirley MacLaine: “Amy Schumer não é uma ladra!” Você vai precisar de algum contexto sobre o que está acontecendo aqui: Schumer interpreta uma versão um pouco insuportável de si mesma e uma nova residente do Arconia. O Oliver de Short está tentando convencer a mãe fria de Bunny, interpretada por MacLaine, que Amy Schumer não roubou uma pintura de US$1 milhão que Bunny possuía e exibia em sua casa – mesmo que agora esteja inexplicavelmente na parede de Schumer. Sim, muita coisa está acontecendo aqui – mas acredite, tudo está totalmente no espírito excêntrico deste programa. Assistimos a uma série de colisões da iconografia de Nova Iorque – Schumer, uma história em quadrinhos enraizada na cena infantil da cidade; MacLaine, que sabe uma coisa ou duas sobre edifícios lendários de Manhattan – em um momento que parece fresco, nostálgico e totalmente bobo ao mesmo tempo.

Amy Schumer assume um papel fundamental nos primeiros episódios da temporada e foi “o sim mais imediato que recebemos no programa”, diz Hoffman. Ela conhecia Steve Martin de quando ela estrelou sua peça na Broadway Meteor Shower, e entrou como uma grande fã do show. Sua personagem obcecada por si mesma expressa interesse em adaptar o podcast Only Murders para a tela – ela quer estrelar uma versão anti-heroína feminista contada da perspectiva de Jan, a assassina da primeira temporada interpretada por Amy Ryan – mas precisa que os criadores limpem seus nomes deste último assassinato primeiro. É uma visão elevada da persona de Schumer, com certeza – e que se encaixa no modelo estético do show: ela é apresentada em uma roupa que presta homenagem a Annie Hall, um toque que Hoffman diz que foi ideia do quadrinho.

MacLaine, enquanto isso, não fazia uma série de TV desde Glee há quase uma década, e aprecia cada linha ácida que Hoffman jogue nela. Ela e Hoffman se conhecem como amigos há muito tempo; eles se uniram em 2016 para uma adaptação do livro de memórias Bettyville que permanece em desenvolvimento. Ela ficou tão emocionada com a perspectiva que viajou de sua casa em Santa Fé para fazê-lo. “Ela tem 88 anos agora e tão afiada quanto possível”, diz Hoffman. “A coisa bonita para mim foi Steve dizendo, antes de ela chegar, ‘Eu não posso acreditar que vou fazer coisas com Shirley MacLaine’. Isso realmente me emocionou.” (O papel de MacLaine da mãe de luto de Bunny fica enredado no mistério central da temporada, e Hoffman provoca um arco “emocionante” para ela à medida que a temporada continua.)

É muito poder para um show que não era exatamente fraco. Além disso, há uma enorme porta giratória com potencial para mais adições. (Com Schumer sublocando a unidade de cobertura que Sting ocupou na primeira temporada, “aquele lugar terá mais sublocação acontecendo lá”, Hoffman sugere com uma risada.) Mas igualmente ricos são os veteranos do teatro de Nova Iorque que estrelam como inquilinos do Arconia, e possuem mais que uma chance para brilhar desta vez. Uma, de Jackie Hoffman, e Howard, de Michael Cyril Creighton, retomam os arranjos póstumos de Bunny, o que os coloca em conflito frequente e mal-humorado com nossos heróis. Jayne Houdyshell também retorna, em vislumbres pungentes da vida de Bunny antes de sua morte. Para Hoffman, destacar a falecida presidente do conselho do Arconia marca mais uma ode à cidade que define seu show: “Acho heróicas todas essas mulheres em Nova Iorque que vemos nas ruas todos os dias, seguindo suas vidas, passando por isso.”

Mas é claro que começamos e terminamos com Charles, Mabel e Oliver. Eles podem provar sua inocência? O que eles vão fazer com toda essa fama? A segunda temporada – do podcast, quero dizer – pode fazer jus à primeira temporada? “Todo o tema da temporada está sendo enquadrado e, em seguida, reformulando tudo para que o mundo em geral entenda o que aconteceu com essa mulher neste prédio”, diz Hoffman. “As histórias emocionais para nossos três personagens principais – esse é o nosso verdadeiro tecido conjuntivo, em um mundo onde uma série de televisão misteriosa tende a mergulhar não tão profundamente muitas vezes.” Assim, quanto mais história Only Murders conta, mais oportunidades se apresentam – especificamente, um gancho para uma possível terceira temporada que os escritores já têm (ainda não foi renovada). “O mundo continua se abrindo”, diz Hoffman. “Acho que é por causa do número de apartamentos que você pode ter em um prédio.”

Adaptação e Tradução por: equipe Selena Gomez Brasil.

Comments

comments

Siga o Twitter do site para receber
novidades sobre Selena em tempo real
Na nossa página do Facebook, você também
não perde novidades sobre Selena. Curta!
Siga-nos no Instagram para fotos, vídeos e
entretenimento sobre Selena e o site
Web status
Criação e desenvolvimento por LIVZZLE e Lannie.D
© 2020 - Selena Gomez Brasil